Na Grande Ilha

Em assembleia, rodoviários decidem por unanimidade deflagrar greve

A paralisação do transporte público da Grande Ilha acontecerá nas próximas 72 horas, caso o Sindicato Patronal não apresente condições justas que atendam os direitos e reivindicações dos trabalhadores, diz o Sttrema.

Imirante.com

- Atualizada em 03/12/2022 às 16h48
Segundo o Sttrema, os trabalhadores não irão aceitar o que foi proposto pelo SET, e afirmam que o 13º salário é um direito adquirido pelos trabalhadores brasileiros.
Segundo o Sttrema, os trabalhadores não irão aceitar o que foi proposto pelo SET, e afirmam que o 13º salário é um direito adquirido pelos trabalhadores brasileiros.

SÃO LUÍS - O Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (Sttrema) realizou, na manhã deste sábado (3), uma assembleia geral com a categoria e decidiu por unanimidade paralisar o transporte público da Grande Ilha.

Na Assembleia Geral, realizada na sede da entidade, o presidente do Sttrema informou aos trabalhadores sobre o recebimento de um oficio, encaminhado pelo sindicato patronal (SET), informando que o décimo terceiro dos rodoviários que atuam no sistema de transporte público na Grande São Luís será pago em oito parcelas mensais. Segundo o Sttrema, os trabalhadores recusaram o que foi proposto pelo SET, e afirmam que o 13º salário é um direito adquirido pelos trabalhadores brasileiros.

A paralisação do transporte público da Grande Ilha acontecerá nas próximas 72 horas, caso o Sindicato Patronal não apresente condições justas que atendam os direitos e reivindicações dos trabalhadores, diz o Sttrema.

A assembleia geral aconteceu na manhã deste sábado (3), na sede da entidade.
A assembleia geral aconteceu na manhã deste sábado (3), na sede da entidade.

De acordo com o presidente do Sttrema, Marcelo Brito, os empresários atrasam salários, ticket alimentação, pagamento das férias e agora sugerem o parcelamento do 13º em oito parcelas.

“Os empresários já não cumprem vários acordos, estabelecidos conforme Convenção Coletiva de Trabalho. Atrasam salários, atrasam o ticket alimentação, atrasam pagamento das férias e agora sugerem esse absurdo, pagar o 13º salário em oito parcelas. Não vamos aceitar. Isso é uma afronta e um desrespeito aos trabalhadores. Nos reunimos em assembleia geral, agora pela manhã, e foi decidido pela própria categoria cruzar os braços, pois com essa proposta indecente dos patrões não nos resta outra alternativa, que não seja partir para greve”, enfatiza Marcelo Brito.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.