Quedas constantes

Proposta de CPI da Telefonia perde força na Assembleia

Deputado Wellington do Curso não conseguiu avançar com coleta de assinaturas.

Gilberto Léda/ipolítica

Há constantes reclamações de consumidores de todas as operadoras
Há constantes reclamações de consumidores de todas as operadoras ( Foto: reprodução)

SÃO LUÍS - O deputado estadual Wellington do Curso (PSC) não conseguiu avançar e segue sem conseguir as assinaturas necessárias para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar problemas na prestação de serviços de telefonia móvel no Maranhão.

O objetivo, segundo ele, é apurar a qualidade do serviço prestado pelas empresas, diante dos inúmeros recentes casos de falhas reportadas por clientes de todas as operadoras.

Há três semanas, o parlamentar anunciou o início da coleta de assinaturas - são necessária 14 para a apresentação do requerimento à Mesa Diretora, primeiro passo antes da instauração da CPI. Ele acreditava num apoio maior.

“Iniciamos a coleta de assinaturas para instaurar a CPI da Telefonia. Nos últimos meses, os maranhenses foram desrespeitados enquanto consumidores. Espero muito contar com o apoio dos demais deputados. O objetivo é um só: garantir que todos os que pagam tenham acesso a um serviço com qualidade”, disse Wellington na ocasião.

No mês de outubro, a operadora Vivo, por exemplo, foi multada em R$ 4 milhões pelo Instituto de Promoção e Defesa do Cidadão e Consumidor (Procon) do Maranhão após investigação levada a efeito em processo administrativo apontar diversas falhas no atendimento a clientes.

Há constantes reclamações, também, de consumidores de todas as outras operadoras.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.