FINANCIAMENTO

Agricultores familiares do Maranhão já receberam R$ 338 milhões em crédito

De janeiro a agosto deste ano, mais de 42 mil operações de crédito no estado foram registradas pelo Banco do Nordeste.

Imirante.com

Somente o programa Agroamigo respondeu por 79% do valor desembolsado no estado este ano
Somente o programa Agroamigo respondeu por 79% do valor desembolsado no estado este ano (Divulgação)

SÃO LUÍS – Levantamento realizado pelo Banco do Nordeste aponta que de janeiro a agosto deste ano, os financiamentos aos agricultores familiares maranhenses somaram R$ 338 milhões, correspondentes a cerca de 42 mil operações de crédito realizadas. Somente o Agroamigo respondeu por 79% do valor desembolsado no estado.

Em toda a região Nordeste e parte de Minas Gerais e do Espírito Santo as aplicações somaram R$ 3,2 bilhões em mais de 400 mil operações de crédito contratadas pelo Banco do Nordeste, nos primeiros oito meses do ano. 

Desse montante, R$ 2,6 bilhões contemplaram clientes do programa de microcrédito rural da Instituição, o Agroamigo Banco do Nordeste. Outros R$ 600 milhões beneficiaram produtores atendidos em alguma das 14 linhas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

 “Os recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) beneficiam milhares de famílias que dependem da agricultura para sua sobrevivência, além de agregar valor à produção e movimentar a economia", afirma o superintendente de Agronegócio e Microfinança Rural, Luiz Sérgio Farias Machado. 

Ele destaca que o BNB responde por 98% dos créditos para investimento com esse público na região, e ainda por 71,4% de todos os financiamentos do Pronaf em sua área de atuação.

Responsável pela maior fatia dos empréstimos, o Agroamigo Banco do Nordeste atende a agricultores familiares que possuam receita bruta anual até R$ 360 mil, em duas modalidades: Agroamigo Crescer, voltado aos clientes enquadrados no Grupo B do Pronaf; e o Agroamigo Mais, que contempla os demais grupos, exceto A e AC. Os financiamentos podem chegar a R$ 20 mil, a depender do enquadramento do cliente e do projeto apresentado.

Impactos na economia

De acordo com o Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), área de estudos e pesquisas do BNB, o desembolso de recursos para a agricultura familiar no 1º semestre de 2022 foi responsável pela manutenção de 204 mil empregos, incremento de R$ 790 milhões na massa salarial, ampliação de R$ 373 milhões na arrecadação tributária e de R$ 2,8 bilhões no valor adicionado à economia.

“Na medida em que o agricultor familiar passa a consumir mais insumos para sua atividade, isso tem impacto na economia como um todo, garantindo inclusive postos de trabalho formais nas cidades, nos setores de comércio, indústria e serviços”, esclarece Airton Saboya, economista do Etene.

 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.