Coluna do Joaquim

Nossa triste realidade ideológica

O retrato de nossa realidade ideológica hoje não nos deixa margem para tentar minimamente contemporizar e chegar a uma convivência aceitável.

Joaquim Haickel

 

          
         

 

Recentemente, em uma conversa com um querido amigo meu, cuja ideologia difere da minha espacialmente - enquanto ele se posta à esquerda, eu me coloco à direita do espectro político - descobri que nossas diferenças não são assim tão grandes ou inconciliáveis.

Ele é a favor da reforma agrária, da distribuição de terras para pequenos agricultores familiares. Eu também sou! A diferença entre nossas posições, é que eu acredito que as terras que devem ser distribuídas para essas pessoas, não podem, jamais, serem terras que já produzem. Para mim, reforma agrária não pode ser feita em propriedades produtivas, fazendas que realizem um trabalho sem a qual o Brasil não seria o maior produtor de alimentos do mundo!

Penso que o Estado tem que prover essas pessoas, de forma a se estabelecerem, e ajudá-las da melhor maneira possível, mas jamais às custas de quem já produz. Isso não é apenas uma injustiça, mas uma burrice, uma loucura e uma imensa irresponsabilidade.

 

        
       

 

Sou a favor de saúde e educação gratuitas e de boa qualidade. Sou a favor das cotas, pois acredito que durante muitos anos, indígenas, mulheres, negros, homossexuais, portadores de deficiências físicas, foram e ainda são discriminados e marginalizados. Só que eu acredito que isso não deve ser feito no intuito de semear a luta de classes, que visa unicamente arrebanhar uma parcela da sociedade para o lado de quem defende alucinadamente essa tese, com a qual eu concordo no conteúdo, mas não na forma. 

Em algum momento surgiu em nossa conversa o assunto dos privilégios. Existe uma corrente que acredita que privilégios devem ser conferidos primeiro aos mais carentes e só depois disso, aos que tiverem mérito em algum setor, e há outra corrente que acredita que o privilégio deve ser destinado em primeiro lugar aos que possuem mérito, para só depois incluir os menos favorecidos. 

É em aspectos como esse que as coisas começam a se complicar, pois estas são concepções completamente antagônicas, muito mais quanto à forma que quanto ao conteúdo. Quanto mais radicais forem os ideólogos, de direita ou de esquerda, mais eles passam a não admitir a inclusão de carentes de um lado ou meritórios de outro. Isso é apenas um exemplo. Muitas outras situações como essa existem.

Um dia desses, ouvi uma tese ser propagada por um ideólogo radical de esquerda, que defendia que a meritocracia deveria ser eliminada da vida social, que o mérito não representa o que há de melhor na sociedade, pois se alguém é o melhor em algum aspecto, é porque certamente se apoiou naqueles mais carentes para se sobressair. Mesmo sendo eu um sujeito aberto ao diálogo, não via como manter uma conversa produtiva com alguém que tivesse um pensamento, para mim tão absurdo como aquele.

Fiquei imaginando que a grande quantidade de pessoas desses grupos marginalizados que se sobressaem meritoriamente estariam perdendo o seu valor por mérito e passariam a ser recompensados pelo fato pertencerem a casta dos desfavorecidos. 

Lembrei do filme “Estrelas além do tempo” que fala sobre a vida e a obra de Katherine G. Johnson, uma cientista, negra e de origem pobre que fez mais que muitos homens brancos e ricos, pela exploração do espaço. Lembrei de Jesse Owens, atleta americano negro que humilhou Hitler na olimpíada de Berlin, em 1936. Lembrei de um outro filme, “Self-Made: A vida e história de Madam CJ Walker”, que fala de uma mulher marginalizada e pobre que por seus méritos se tornou uma das maiores filantropas de seu tempo.

Mesmo sendo refratário àquela ideia, por um instante parei para pensar que a minha forma de encarar esse fato deveria ser para aquele militante de esquerda, tão absurda quanto a dele era pra mim, um sujeito que se vê como uma pessoa correta, que pensa em si como um liberal, um moderado de direita.

No decorrer da conversa, aquele meu amigo, que, apesar de pensar diferente de mim politicamente, é uma pessoa inteligente, sensata, de bons propósitos e caráter ilibado, foi vendo que as nossas diferenças não eram inconciliáveis e poderiam facilmente serem contemporizadas, com boa fé e boa vontade.

Nossa conversa já estava na literatura e no cinema quando lá pelas tantas chegaram no barzinho onde eu e ele estávamos conversando, um grupo de amigos dele. Olharam atravessado, cumprimentaram a ele e nem falaram comigo. Algum tempo depois, chegaram dois amigos meus, um fazendeiro e um industrial. Um deles se aproximou, falou comigo e cumprimentou cordialmente o meu amigo, abaixou-se ao meu ouvido e disse baixinho: “Tu e esses teus amigos esquerdistas, né?!...”

Este infelizmente é o retrato de nossa realidade ideológica hoje. Algo completamente insuportável, que não nos deixa margem suficiente para tentar minimamente contemporizar e chegar a uma convivência aceitável, saudável e sustentável com quem pensa diferente de nós.

A intolerância, a falta de temperança e a absurda necessidade de sobrepor o outro, está destruindo as nossas relações pessoais e inviabilizando a convivência. 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter e Instagram e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.