Violência contra a mulher

Homens são presos em São Luís e Caxias após descumprirem medidas protetivas

Medidas protetivas visam garantir a integridade física de vítimas de violência doméstica.

Imirante.com, com informações da Polícia Civil do Maranhão

- Atualizada em 26/03/2022 às 17h59
Medidas protetivas de urgência estão previstas nos Artigos 22 a 24 da Lei Maria da Penha.
Medidas protetivas de urgência estão previstas nos Artigos 22 a 24 da Lei Maria da Penha. (Foto: Marcos Santos / USP)

SÃO LUÍS - Dois homens foram presos, nessa quinta-feira (24), por descumprirem medidas protetivas de urgência e se aproximaram de mulheres que já tinham relatado algum tipo de agressão. As prisões ocorreram nas cidades de Caxias e São Luís.

Em Caxias, a Delegacia Especializada da Mulher, deu cumprimento ao mandado de prisão preventiva contra um homem, de 37 anos, que praticou os crimes de ameaça no âmbito doméstico e descumprimento de medida protetiva de urgência praticados contra a ex-companheira. A prisão foi realizada no Centro da cidade.

Já em São Luís, a Polícia Civil de São José de Ribamar, com apoio da Guarda Municipal, conseguiu prender em flagrante um homem também, de 37 anos, pelos crimes de agressão física, ameaça, injúria e descumprimento de medida protetiva de urgência agravados na Lei Maria da Penha, que teve como vítima sua companheira. O homem foi capturado no bairro do São Cristóvão. Existem quatro boletins de ocorrência de violência doméstica, registrados pela vítima.

Vale ressaltar que as medidas protetivas de urgência estão previstas nos Artigos 22 a 24 da Lei Maria da Penha. São providências que o magistrado pode determinar para garantir a integridade física da vítima de violência doméstica.

A Lei 13.641/2018 alterou a Lei 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, e passou a considerar como crime o ato de descumprir medidas protetivas de urgência. Com a mencionada alteração na legislação, o ofensor que desrespeita medida a ele imposta, comete o crime tipificado no artigo 24-A da Lei Maria da Penha e está sujeito a pena de 3 meses a 2 anos de detenção.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.