Festival

'MOA virou caso de polícia', afirma Lítia Cavalcanti

Promotora disse tomará providências legais e sugere abertura de inquérito policial.

Blog do Daniel Matos / O Estado do MA

- Atualizada em 27/03/2022 às 12h23

Em entrevista, ao radialista Jorge Aragão, no programa Domingo Mirante, da Mirante AM, a promotora de Defesa do Consumidor, Lítia Cavalcante, cobrou a abertura de inquérido policial para responsalizar os organizadores do Metal Open Air (MOA) pelos danos às pessoas prejudicadas pela péssima estrutura do evento, cancelado hoje, após a desistência de mais de 20 bandas.

“O MOA virou caso de polícia. Além das providências legais que tomarei, como representante do Ministério Público, é necessária a abertura de um inquérito policial contra os responsáveis por atos tão lesivos a milhares de pessoas”, cobrou.

Segundo Lítia, o MOA não poderia ter acontecido, devido às irregularidades constatadas pelo Corpo de Bombeiros, Procon e Vigilância Sanitária durante vistoria realizada na manhã da última sexta-feira, no Parque Independência, horas antes do início do festival.

“Os organizadores do evento obtiveram as autorizações mesmo após os órgãos que fizeram a vistoria terem constatado graves problemas de segurança e higiene”, salientou, acrescentando que ao visitar o Parque Independência, na manhã de ontem, verificou a existência de baratas, carrapatos e esterco em áreas destinadas à acomodação do público. “As pessoas que foram ao Parque Independência estão no lixo e vivem um pesadelo. Muitas das que vieram de outros estados não têm dinheiro para voltar para casa”, lamentou.

Mídia

A promotora afirmou que a estrutura oferecida às pessoas que pagaram caro pelos igressos do não foi igual à apresentada durante a divulgação do evento. “Ao que parece, a produção do MOA investiu muito mais em propaganda do que na estrutura que seria disponibilizada ao público”, assinalou.

Sobre a repercussão negativa do fracasso do MOA , Lítia Cavalcante lamentou que tal episódio tenha manchado a imagem do Maranhão no resto do Brasil e no exterior. “As pessoas que compraram ingressos para o festival caíram em um golpe de estelionato, que, infelizmente, resultará em grave prejuízo à imagem do nosso estado”, lastimou.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.