Situação de emergência

Cheias de rios já deixam 1.445 famílias desabrigadas ou desalojadas no Maranhão

Equipes do governo do Estado leva alimentos, medicamentos, testes de Covid e vacinação às pessoas afetadas.

Imirante.com, com informações do CBMMA

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h34
Cestas básicas são distribuídas a famílias atingidas por enchentes. Foto: Divulgação/CBMMA.
Cestas básicas são distribuídas a famílias atingidas por enchentes. Foto: Divulgação/CBMMA.

MIRADOR – Subiu para 1.445 o número de famílias desabrigadas e desalojadas em todo o Maranhão após as chuvas que levaram às cheias de rios em várias cidades.

Ao todo, quinze municípios já decretaram situação de emergência, são eles: Mirador, Grajaú, Barra do Corda, Jatobá, Paraibano, Formosa da Serra Negra, Imperatriz, Vila Nova dos Martírios, Fortuna, São Luís Gonzaga, Parnarama, Buriti Bravo, São Roberto, Lagoa Grande do MA e São Pedro da Água Branca.

Além desses municípios outros 16 são monitorados pela Defesa Civil. Equipes do Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA) mantêm o trabalho de resgate aos afetados e participa da operação de ajuda humanitária nas cidades atingidas.

Em Mirador, o nível do rio Itapecuru, segundo informações do Corpo de Bombeiros, atingiu na manhã desta quinta-feira (20) 4,48m, uma redução de 4cm em relação a ontem. Na cidade, 35 casas desabaram durante a enchente, e já são cerca de 694 pessoas afetadas.

Diversas ações estão em curso para enfrentar a crise provocada pelas inundações no Estado. Doação de cestas básicas, colchonetes, máquinas para desobstruir os locais inundados, medicamentos e o transporte de famílias e de profissionais são algumas das ações realizadas pelo governo.

Até agora foram distribuídas 3,8 mil cestas básicas para as cidades atingidas. Em Imperatriz, foram entregues 1.441 cestas; 1.500 em Mirador, 300 em Grajaú, 157 em Vila Nova dos Martírios e 500 cestas em São Pedro D’Água Branca.

Imperatriz também recebeu 416 colchões. De acordo com informações da Secretaria de Estado das Cidades (Secid), já foram distribuídas, em Imperatriz, de 31 de dezembro até agora, um total de 19,8 mil marmitas (almoço e jantar) aos desabrigados.

O CBMMA, mesmo antes do rio Tocantins atingir a sua cota de alerta, atua em benefício das comunidades ribeirinhas da região. As ações preliminares foram estabelecidas por meio do monitoramento constante do nível do rio e do alerta às famílias situadas em pontos de maior vulnerabilidade.

Após o alcance da cota de inundação, ocorrido no fim do ano passado, equipes do 3° Batalhão de Bombeiros Militar trabalham na remoção de famílias das áreas alagadas, no transporte de bens e no resgate de animais, concentrando suas atividades nos bairros mais atingidos: Porto da balsa, Bairro da Caema, Vila Leandra, Areal, Bairro Beco da Baiúca, Colina Park, Parque Alvorada, Povoado Embiral.

Com o aumento do número de afetados, uma operação de ajuda humanitária foi desencadeada pelo governo do Estado, contando com o trabalho de profissionais da saúde com a realização de teste de Covid-19 e campanha de vacinação.

Bombeiros conseguem acessar localidades isoladas por meio de canoas. Foto: Divulgação/CBMMA.
Bombeiros conseguem acessar localidades isoladas por meio de canoas. Foto: Divulgação/CBMMA.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter e Instagram e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.