Recuou

Maduro cancelou agenda na Argentina por medo de ser preso e ter aeronave confiscada

Líder de regime ditatorial na Venezuela teria encontro com o presidente Lula, mas cancelou agenda por causa de ordem de prisão expedida pelos Estados Unidos.

Ipolítica

Nicolás Maduro é líder de regime ditatorial na Venezuela
Nicolás Maduro é líder de regime ditatorial na Venezuela (Reprodução)

BRASÍLIA - O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro cancelou a sua ida à Argentina, e consequentemente, o encontro que estava marcado com o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) por medo de ser preso e ter a sua aeronave confiscada.

Ele participaria da cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). A alegação de Maduro é de que havia um plano de agressão contra sua delegação. 

“Nas últimas horas fomos informados de um plano elaborado no cerne da direita neofascista cujo objetivo é realizar uma série de agressões contra nossa delegação liderada pelo presidente da República”, afirmou o governo venezuelano, justificando a ausência de Maduro na reunião com Lula (Brasil), Luis Arce (Bolívia), Gabriel Boric (Chile), Xiomara Castro (Honduras), Mario Abdo Benítez (Paraguai) e Gustavo Petro (Colômbia).

Leia também: Reunião entre Lula e Maduro na Argentina é cancelada

Ordem de prisão

Ocorre que existe uma ordem de prisão internacional contra o chefe de Estado chavista expedida pelos Estados Unidos e, justamente por isso, o presidente só viaja para outro país quando tem a certeza de que não será capturado pelas autoridades locais. 

“Se Maduro não viajar à Argentina é porque não teve garantias de que não seria capturado e enviado aos EUA. É preciso avaliar, também, a rota que o avião fará para chegar em território argentino e se vai atravessar outros países, para se ter a garantia desses países de que o avião pode passar e não será obrigado a aterrissar. É preciso ter tudo isso em conta para viajar”, explicou ao jornal Estado de S. Paulo o tenente venezuelano José Antonio Colina, que fugiu da Venezuela em 2004 e vive nos EUA. 

Nicolás Maduro é acusado de crimes de lesa-humanidade na Venezuela. 

O país vive sob miséria extrema e com repressão aos direitos e liberdades individuais. 

Centenas de milhares de venezuelanos deixaram o país nos últimos meses, com medo da repressão e por causa da fome. 

Muitos se espalharam por vários estados do Brasil. No Maranhão, venezuelanos ficam concentrados em São Luís, como pedintes em semáforos e praças públicas.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.