Checagem

Não há registro público de declaração de Lula nem do MST sobre eliminar agronegócio da Terra

O conteúdo investigado é uma matéria veiculada no site Compre Rural.

Projeto Comprova

O Compre Rural explica, em uma nota de rodapé no site, que o texto em questão se trata de uma republicação de um artigo de opinião,
O Compre Rural explica, em uma nota de rodapé no site, que o texto em questão se trata de uma republicação de um artigo de opinião, (divulgação / Comprova)

BRASIL - É falso o título usado na republicação de um artigo de opinião e no Instagram por um site voltado para o produtor rural, cuja manchete é: “Agronegócio deve ser eliminado da terra, diz Lula e MST”. O título do artigo original é diferente e o texto não contém a atribuição da fala de Lula sobre eliminar o agronegócio. O Comprova também não encontrou registro público de que o candidato petista tenha feito tal afirmação. O restante do artigo é idêntico ao original.

Conteúdo investigado: Uma matéria veiculada no site Compre Rural e divulgada nas redes sociais da página cujo título afirma que o candidato à presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) disseram que o “agronegócio deve ser eliminado da terra.”

Onde foi publicado: No Portal Compre Rural e no perfil do site no Instagram. Na rede social, o conteúdo foi posteriormente apagado.

Conclusão do Comprova: É falso conteúdo que circula na internet atribuindo a Lula e ao MST a afirmação de que o “agronegócio deve ser eliminado da Terra”.

O Compre Rural explica, em uma nota de rodapé no site, que o texto em questão se trata de uma republicação de um artigo de opinião do colunista J.R. Guzzo para o jornal Gazeta do Povo. Na versão original, publicada em 1º de agosto deste ano, o título é diferente: “O que Lula fará ao agronegócio brasileiro, a pedido do MST”. Assim, no título original, não há atribuição ao petista e ao movimento de fala sobre eliminar o agronegócio, embora, no corpo do texto, Guzzo escreva que o MST deseja eliminar o agronegócio do Brasil e que Lula queira dar ao movimento um papel de destaque no governo.

Na checagem do Comprova, a equipe não localizou registro público de Lula nem de representantes do MST apelando, de maneira explícita, pela eliminação do agronegócio.

O restante do texto é idêntico ao artigo de opinião publicado na Gazeta do Povo. O Comprova não verifica textos de opinião e nem conteúdos publicados por organizações jornalísticas. Conforme a política editorial, o Comprova entende que “essas organizações podem cometer erros, mas que é esperado que tenham suas próprias políticas de correção de erros”.

Para o Comprova, falso é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma falsidade.

Alcance da publicação: A página verificada, do Compre Rural, engajou mais de 3.650 usuários no Facebook. Foram mais de 1 mil comentários espalhados em 28 postagens diferentes por páginas que somam mais de 2 milhões de seguidores. O conteúdo foi compartilhado quase 1,5 mil vezes até a publicação desta verificação.

O que diz o autor da publicação: Por meio de e-mails informados no site e por mensagem no Instagram, o Comprova entrou em contato com o Compre Rural, mas não obteve resposta aos questionamentos até a publicação desta verificação.

Como verificamos: Pesquisamos no Google pela frase como dita no título do artigo, “agronegócio deve ser eliminado da Terra”, atribuída pelo Compre Rural a Lula e ao MST. Pesquisamos também as palavras-chave, “agronegócio”, “Lula”, “MST” e “eliminar”, separadamente. Usamos técnicas de refino de pesquisa, em especial o uso de aspas (“ ”), que leva o Google a buscar por documentos que tenham a palavra, expressão ou frase exatamente como está dentro das aspas. Também usamos o termo “AND” entre palavras-chave para pesquisar conteúdos que tivessem, ao mesmo tempo, mais de uma palavra-chave pesquisada.

Não há registro público de representantes do MST apelando pela eliminação do agronegócio nem chamando o setor de “inimigo do povo brasileiro”

O título do artigo publicado no Compre Rural atribui a Lula e ao MST a seguinte fala: “Agronegócio deve ser eliminado da Terra”. Pesquisando no Google pela frase, como atribuída literalmente, não há registro que ateste sua veracidade. Pelo contrário, muitas respostas são artigos de agências de checagem – como Aos Fatos, Reuters, Yahoo e Boatos.org – desmentindo o conteúdo do Compre Rural.

Também obtivemos como resultado uma nota publicada no site oficial de Lula negando a atribuição da fala.

Além da frase exata, como consta no título do artigo do Compre Rural, foi feita pesquisa no Google pelas palavras-chave “agronegócio”, “Lula”, “MST”e “eliminar”, separadamente. O Google não retornou nenhum artigo que atestasse a constatação no título.

Por que investigamos: Investigamos conteúdos suspeitos que viralizaram nas redes sociais sobre as eleições presidenciais, a pandemia de covid-19 e políticas públicas do governo federal. No caso do material investigado, vimos que a publicação repercutiu nas redes sociais atribuindo ao presidenciável Lula uma fala a favor da eliminação do agronegócio. Peças de desinformação como esta podem atrapalhar o processo eleitoral pois enganam a população, que deve fazer sua escolha a partir de dados verdadeiros e confiáveis.

Outras checagens sobre o tema: O conteúdo verificado também foi desmentido por outros serviços de checagem de fatos como Aos Fatos, Reuters, Yahoo, Lupa e Boatos.org.

Recentemente, o Comprova checou outros assuntos que tentaram atribuir ao candidato Lula falsas afirmações. Em um deles, ficou comprovado que Lula não disse querer implantar comunismo chinês no Brasil. Em outra checagem, o Comprova apurou ser falso que Lula e o presidente eleito da Colômbia querem obrigar pessoas a dividir casa com outras famílias.

 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.