Checagem

Vídeo engana ao dizer que Facebook restringiu compartilhamento de conteúdo pró-Bolsonaro

Mesmo com informações enganosas, vídeo segue circulando nas redes sociais até hoje.

Projeto Comprova

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h33
O autor grava a tela de um celular e mostra um vídeo publicado na linha do tempo do Facebook, destacando que não há botão de compartilhamento.
O autor grava a tela de um celular e mostra um vídeo publicado na linha do tempo do Facebook, destacando que não há botão de compartilhamento. (Foto: Reprodução)

BRASIL - É enganosa a afirmação feita em vídeo que viralizou no TikTok, em que o autor diz que o Facebook censurou o compartilhamento de imagens que mostram o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), cumprimentando apoiadores durante uma visita a Belém do Pará no dia 13 de agosto de 2020. O vídeo segue circulando nas redes sociais até hoje.

Leia também:

Publicação enganosa distorce dado de estudo alemão para criticar vacinação infantil

Para atacar vacinas, post mente ao dizer que OMS apontou dano ao sistema imunológico​

O autor grava a tela de um celular e mostra um vídeo publicado na linha do tempo do Facebook, destacando que não há botão de compartilhamento. Então, ele copia o link da publicação, afirmando que esta é uma outra forma de divulgar a postagem. Neste ponto, é possível perceber – por causa dos ícones que aparecem abaixo do nome dos donos dos perfis – que o vídeo que o autor tenta compartilhar foi publicado de forma restrita a amigos (por isso, a ausência da opção direta de compartilhamento).

Em seguida, ainda gravando a tela do celular, ele mostra ter compartilhado a postagem (de forma pública, modalidade que confere acesso a todos os usuários do Facebook) usando o link para o conteúdo. Então, o autor grava a tela de outro celular, que estaria, supostamente, logado no perfil do Facebook de sua esposa, e diz que não consegue abrir o mesmo conteúdo neste aparelho.

Vale lembrar que o vídeo compartilhado estava disponível apenas para amigos do responsável pela primeira publicação. Ou seja, não estará disponível caso pessoas que não estejam nesta lista tentem clicar.

No vídeo, é possível ver apenas a mão do autor e ouvir sua voz. Além disso, a imagem não permite confirmar que o link do vídeo compartilhado em seu celular é o mesmo que ele tenta abrir no aparelho da suposta esposa.

Pela imagem, não é possível ter certeza sobre quais perfis são responsáveis pelas postagens. A equipe entrou em contato com páginas semelhantes (nome e foto) às que aparecem no vídeo, mas os donos não responderam ou afirmaram não conhecer o conteúdo. Em nota, o Facebook informou que o vídeo da visita de Bolsonaro ao Pará está disponível na rede social e pode ser compartilhado.

Para o Comprova, enganoso é todo conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Como verificamos?

Inicialmente, a equipe do Comprova tentou localizar a publicação citada pelo autor do vídeo no Facebook. Isso foi feito por meio de busca na própria rede social e também escrevendo a URL que aparece na filmagem. No entanto, por causa da falta de qualidade da imagem, a URL não está completamente legível.

No vídeo é possível ver o nome de três pessoas — autor do vídeo, sua esposa e a pessoa que fez a publicação original. O Comprova tentou localizar as três.

Na sequência, a equipe analisou o vídeo e conferiu o que diz a Política de Conteúdo da rede social para verificar quando uma publicação pode ter o compartilhamento limitado.

Outra ação foi compartilhar uma publicação no Facebook para verificar se algo semelhante ao mostrado no vídeo acontece.

A equipe também questionou o Facebook sobre a publicação citada no vídeo. Em paralelo, confirmou com base na agenda oficial e em imagens publicadas por veículos de imprensa (aqui) que o presidente Jair Bolsonaro de fato esteve no Pará na data citada.

Verificação

O vídeo

Na gravação aqui verificada, é possível identificar no Facebook algumas informações da publicação original do vídeo em que Bolsonaro aparece. A postagem contém, por exemplo, a legenda “Chupa Petralhas e Globolixo… O Mito em Belém”. O Comprova tentou localizar o conteúdo por meio da busca pela palavra “Globolixo” no perfil identificado pela equipe como possível responsável pela publicação e também escrevendo o que parece ser a URL que aparece na filmagem, mas não encontrou nenhum resultado. A URL, inclusive, não está completamente legível.

Seleção de público

A postagem inicial que divulga a filmagem do presidente está com o marcador “seus amigos”, identificado pelo ícone de duas figuras humanas em preto (veja abaixo). Isso significa que a publicação só está disponível para ser compartilhada por pessoas que estão adicionadas na rede do perfil responsável pelo post.

Depois de mostrar a publicação sem a opção do botão compartilhar, o autor do vídeo aqui verificado exibe a postagem anterior feita pelo perfil que divulgou a gravação de Bolsonaro no Pará. Esta, ao contrário da filmagem do presidente, mostra a opção de compartilhamento porque está com o marcador “público”, identificado pelo ícone de um globo terrestre, significando estar disponível para qualquer pessoa dentro ou fora do Facebook.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.