Turma do Quinto

Mulheres apresentam proposta de samba-enredo na Turma do Quinto

As compositoras Carol Cunha, Selma Delago, Isabel Cunha e Wanda Cunha subirão ao palco para defender seu próprio samba.
Na Mira, com informações da assessoria27/11/2019 às 11h50
Mulheres apresentam proposta de samba-enredo na Turma do QuintoCompositoras Carol Cunha e Selma Delago. (Foto: divulgação)

SÃO LUÍS - Um fato inédito vai ocorrer na próxima sexta-feira (29), a partir das 23h, na Escola de Samba Turma do Quinto, durante a segunda eliminatória do concurso para escolha do samba-enredo da escola da Madre de Deus de 2020 que vai homenagear o centenário de Bacabal.

O fato é histórico e demonstra muita ousadia de quatro compositoras que estão à frente de seu tempo: pela primeira vez, um grupo só de mulheres apresenta proposta de composição autoral, dentro de um espaço ocupado eminentemente por homens, como é a ala de compositores das escolas de samba maranhenses.

As compositoras Carol Cunha, Selma Delago, Isabel Cunha e Wanda Cunha subirão ao palco para defender seu próprio samba, ladeadas pelas cantoras Mazé Veras (do Grupo As Sirigaitas) e Andrea Frazão; da cavaquinhista Lia (do Grupo As Brasileirinhas); do violonista Totti Moreira e do baixista Caio César.

Samba-enredo – As autoras tecem o enredo com muita poesia, usando expressões de intenso valor literário que lembram o encanto dos velhos carnavais, cuja narrativa começa no coração para desembocar na história da cidade de Bacabal. É assim que nasce a magia das alegorias que estarão na passarela para contar uma história mesclada de branco e azul-poesia. E é este o tom do azul que elas emprestam à TQ: poesia!

Fazendo alusão ao Rio Mearim e sua importância para o desenvolvimento da cidade, as compositoras usam uma frase de autêntico valor histórico e metafórico: “O rio corre nas veias”.

O samba, cheio de refrãos e riqueza vocabular, vai alinhavando todos os atores que contribuíram para a edificação do município, quer do ponto de vista histórico, quer do ponto de vista religioso e cultural. Paralelamente, elas também prestam uma homenagem à própria Turma do Quinto, ao trazerem para o presente um bordão do seu passado: “Quinto é povo, povo é quinto” .

Não passou despercebido, também, aos olhos das compositoras o trabalho incansável e sempre competente do ilustre carnavalesco Tácito Borralho: “Pode o tempo passar/Muitas memórias o Quinto tem para bordar./ Faz teatro com o melhor carnaval/ E hoje adorna o palco para louvar Bacabal.

Numa sociedade ainda machista, um samba como esse, entranhado de vozes femininas, dá muito o que falar. Há os que falam bem; há os que falam mal; há os que não falam. Enquanto isso, Carol, Selma, Isabel e Wanda vão deixando suas cifras na história do samba-enredo do Maranhão.

Ouça a proposta de samba-enredo:

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.