Comportamento

Dia dos Pais: como lidar com a ausência paterna?

Descubra formas ajudar uma criança a driblar a falta do pai nesta data comemorativa.
Na Mira12/08/2018 às 13h42
Dia dos Pais: como lidar com a ausência paterna? Dados apontam que 5,5 milhões de crianças brasileiras não têm o nome do pai no registro. (Foto: Divulgação)

BRASIL - O Dia dos Pais é comemorado neste domingo (12), mas nem todas as crianças podem festejar devido à ausência do pai, porém para quase todos os problemas, existem soluções. Seja por separação dos pais, viagens de trabalho, abandono ou até falecimento, veja como agir nessa situação.

A alienação parental é uma realidade no Brasil. Dados apontados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostram que 5,5 milhões de crianças brasileiras não têm o nome do pai na certidão de nascimento e, além disso, até mesmo com o nome no registro, vários pais são ausentes. Sendo assim, o Dia dos Pais pode ser uma questão um pouco difícil para a criança que se encaixa nessa situação.

De acordo com a psicóloga Cíntia Alexo a solução está no comportamento da família, na data e fora dela também. "Deve-se ter muito zelo ao repassar essa mensagem para que a criança não se sinta responsável ou crie uma ideia fantasiosa de que é culpada pela ausência desse pai", comenta.

E agora, quem poderá nos ajudar?

Acima de qualquer coisa, o importante é respeitar o tempo e a forma de reagir da criança e ser sútil ao dar suporte nesse momento. Mesmo que para algumas pessoas seja apenas uma data comercial, encarar e trabalhar esse dia com crianças que não têm uma figura paterna é importante. Pergunte o que espera desse dia e aposte no entretenimento, deixando o menino ou menina escolher o que quer fazer. Muitas vezes, na tentativa de ajudar, os responsáveis pela criança planeja várias atividades para ocupar o dia, mas pode ser que não seja isso o que ela espera.

É comum encontrar uma reação mais chateada, irritada ou cabisbaixa, e isso precisa ser respeitado. Nesse caso, vocês podem assistir a um filme com conteúdo leve, ler um livro ou simplesmente ficar sem fazer nada, o que também pode ser positivo.

O diálogo é outro ponto fundamental. É interessante que deixar as crianças colocarem para fora o que estão sentindo e que, juntos, tentem nomear esse sentimento.Isso ajuda na construção da capacidade de se perceber e se conhecer e, então, perceber o que ele está sentindo. A substituição da figura paterna por um tio, um avô ou outro adulto também pode ocorrer e neste caso deixe com que a criança passe o máximo de tempo nessa data ao lado dessa pessoa, o mais importante disso tudo é o vínculo criado entre ela e o adulto.

Evite qualquer tipo de transtorno

A mãe ou responsável pela criança deve tomar o máximo cuidado possível para não colocar observações negativas sobre o pai no Dia dos Pais. Independente da circunstância, transmitir esses problemas para a relação com o filho pode ser prejudicial para essa criança e marcar a data como algum ruim para sempre.

O ideal é refletir e colocar em prática as ações que não causarão grandes danos. Será que é mesmo necessário falar mal desse pai nessa data ou em qualquer outro momento? Pense nisso. O essencial é deixar a criança entender, e trabalhar gradativamente, o que sente quando colocada de frente à ausência do pai. O ideal é deixar que ela aproveite esse dia a sua maneira.

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2018 - Todos os direitos reservados.