Alerta

Saiba os perigo dos brinquedos muito barulhentos

De acordo com a OMS, ruídos que atingem 70 decibéis já são desagradáveis para o ouvido humano e, acima de 85 decibéis, podem começar a danificar o mecanismo da audição.

Marcella Vidal/ Divulgação*

- Atualizada em 27/03/2022 às 11h08
Garantir a segurança dos filhos não tem preço.
Garantir a segurança dos filhos não tem preço. (Reprodução)

Em época de confinamento dentro de casa e maior convívio entre pais e filhos, nada melhor do que prestar atenção no risco que trazem certos brinquedos sonoros. Eles podem ser perigosos para a audição das crianças. Por isso, é preciso redobrar a atenção. São carrinhos com sirenes, telefones, guitarras, aviões, dinossauros que rugem alto, jogos com explosões e tantos outros que encantam a criançada.

Na vida moderna, o barulho está por toda parte, ainda mais agora que as famílias precisam estar em casa juntas, o tempo todo. É a televisão em alto volume, o aspirador de pó, o liquidificador, o secador de cabelos; e também os brinquedos. Todo esse ruído pode causar danos à audição. Os pais precisam estar conscientes e proteger seus filhos.

Brinquedos sonoros do tipo 'made in China', comprados em camelôs, por exemplo, podem emitir ruído acima do permitido por lei, que é 85 decibéis. Um carrinho de polícia "pirata" pode alcançar 120 decibéis de ruído. E o que isso representa? Só para se ter uma ideia, o barulho de uma motosserra pode chegar a 100 decibéis e o de uma britadeira alcança 110 decibéis.

As crianças também estão expostas a ruídos danosos à audição ao brincarem com videogames com o som nas alturas, ou quando escutam música em volume alto em aparelhagens de som ou com fones de ouvido plugados a celulares.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), ruídos que atingem 70 decibéis já são desagradáveis para o ouvido humano e, acima de 85 decibéis, podem começar a danificar o mecanismo da audição, dependendo do tempo e da frequência da exposição sonora. O manejo contínuo de um brinquedo com esse volume pode prejudicar para sempre a audição das crianças. As menores, de até três anos, são as mais afetadas. E se elas têm a audição comprometida, isso pode afetar todo o seu desenvolvimento, inclusive o desempenho escolar.

Portanto pais, estejam atentos. Garantir a segurança dos filhos, com certeza, não tem preço.


*Marcella Vidal é fonoaudióloga especialista em audiologia.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.