Troca de Ideia

Zeca Baleiro fala da influência da mãe no seu disco de samba

"Ao ouvir muito samba em casa a minha mãe, dona Socorro, acabou influenciando e me fez ouvir samba", diz Baleiro. Ele também destacou Sérgio Natureza e Swami Jr.

Jornalista/Pedro Sobrinho

- Atualizada em 05/12/2023 às 09h10

Em 11 de abril de 2013, no dia em que completou 47 anos de idade, ZECA BALEIRO decidiu gravar uma leva de sambas autorais, ao vivo no estúdio, acompanhado de um quinteto formado por grande músicos experts na matéria do samba, regidos pela batuta do produtor e parceiro Swami Jr.. Seis sambas inéditos foram gravados nessa primeira sessão e o projeto foi deixado de lado na lista de prioridades do artista.

Em 2019, Baleiro decidiu voltar ao disco. Recrutou a mesma banda e mais alguns convidados, e gravou outros cinco sambas. O Samba Não É de Ninguém é o nome do álbum que resultou dessas duas sessões distantes no tempo, e que só agora vem a público, dez anos depois do primeiro take. O álbum chegou em outubro, nas plataformas digitais pelo selo do próprio artista, Saravá Discos, com distribuição da ONErpm.

A saga do projeto tem lances de hesitação, dúvida, falta de espaço na agenda, mas também denuncia um certo medo do artista.

"O samba pra mim sempre foi um lugar meio que sagrado, intocável, perigoso... Tinha medo de expor essa minha faceta, que já é antiga, mas que eu nunca havia registrado em disco. Os sambas que gravei foram sempre em tom paródico, quase como uma alusão brejeira à brasilidade, quase um samba 'fugindo do samba'. Aqui não, aqui o samba é levado muito a sério, respeitando a tradição lírica e melódica do gênero e até emulando alguns mestres sambistas soberanos. Devo a dois amigos e parceiros o estímulo para tomar coragem e realizar de fato o disco, o poeta Sérgio Natureza e Swami Jr. Também devo a minha mãe, dona Socorro, que gostava de ouvir e cantar sambas, e acabou influenciando e me fez ouvir muito samba na vida ”, revela Zeca.

Capa do disco o Samba Não é de Ninguém. Foto: Elifas Andreato
Capa do disco o Samba Não é de Ninguém. Foto: Elifas Andreato

O Samba Não é de Ninguém

O álbum tem 11 canções, todas de Baleiro, três delas em parceria – "Casa no Céu" (com Eliakin Rufino); "Eu pensei que você fosse a lua" (com Salgado Maranhão); e "Duas Ilhas"(com Swami Jr.). A instrumentação é acústica e tradicional, sem arroubos de modernização, como se fosse um disco do passado. Discos de Roberto Ribeiro, Clara Nunes e Guilherme de Brito serviram de inspiração musical e sonora à produção do disco, que foi mixado por Alexandre Fontanetti e masterizado por Carlos Freitas.

A capa do disco, que terá versão em vinil, foi encomendada ao genial artista Elifas Andreato, responsável por capas clássicas de artistas da música brasileira, entre eles Martinho da Vila, Paulinho da Viola e Zeca Pagodinho. Elifas faleceu no ano passado e esta deve ser uma de suas últimas "capas" de disco, trabalho que tanto o apaixonava.

O Samba Não É de Ninguém faz parte das comemorações pelos 26 anos de carreira de Baleiro, que incluiu também o álbum “Mambo Só”, que chegou nas plataformas digitais em julho. A celebração ainda engloba um álbum com Chico César, um livro de memórias e o talk show “Evoé”.

O SAMBA NÃO É DE NINGUÉM | ZECA BALEIRO

1. Santa Luzia

2. Quem Hoje Me Vê Ganhando

3. Casa no Céu (ZB e Eliakin Rufino)

4. O Samba Não É de Ninguém

5. Amorosa

6. Pedra Fria

7. Flores da Razão

8. A Voz do Morro Não Morreu

9. Eu Pensei Que Você Fosse a Lua (ZB e Salgado Maranhão)

10. Triste Lupicínio

11. Duas Ilhas (Swami Jr. e ZB)

*Todas as composições são de Zeca Baleiro, exceto 3, 9 e 11

[ficha técnica]

Zeca Baleiro – voz

Zé Barbeiro – violão 7 cordas

Gian Correa – violão  

Swami Jr. – violão e violão de 7 cordas em “Duas Ilhas”

Henrique Araújo – cavaquinho e bandolim

Douglas Alonso – percussão e bateria

Vitor da Candelária – percussão

Coro – Alemão do Cavaco, Ana Duartti, Lissandra Oliveira, Marcello Furtado e Tatiana Parra

Músicos convidados:

Rubinho Antunes – flugelhorn em “Santa Luzia”

Allan Abbadia – trombone em “Amorosa”

Alexandre Ribeiro – clarinete em “Eu pensei que você fosse a lua” e clarinete e clarone em “Flores da Razão”

Tiago Costa – piano em “Pedra Fria” e “Duas Ilhas”

Teco Cardoso – flauta em Sol em “Duas Ilhas”

Produção: Swami Jr.
Mixagem: Alexandre Fontanetti

Masterização: Carlos Freitas

Lançamento: Saravá Discos. Distribuição: ONErpm

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.