Cargo de perito criminal

Estado é condenado a nomear excedentes em concurso

O prazo para o cumprimento da determinação é de 30 dias.
Imirante.com, com informações do CGJ-MA20/10/2015 às 12h27

SÃO LUÍS - Em sentença assinada nessa segunda-feira (19), o juiz Clésio Coelho Cunha, respondendo pela Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, condenou o Estado do Maranhão a nomear os “candidatos aprovados como excedentes no concurso público de 2012 para o cargo de perito criminal”. O prazo para o cumprimento da determinação é de 30 dias.

Na sentença, o magistrado determina, ainda, ao Estado a criação de Núcleo de Perícia no interior do Maranhão, nomeação dos demais profissionais a partir do referido concurso público e realização de novo concurso público para as vagas remanescentes, determinações essas que atendem às recomendações do Diagnóstico da Perícia Oficial do Maranhão (Secretaria de Estado da Segurança Pública). O prazo para o cumprimento das determinações é de dois anos.

Em caso de descumprimento de qualquer um dos itens, a multa diária é de R$ 10 mil, “sem prejuízo da adoção de outras medidas de coerção”, consta da sentença.

Escassez de funcionários

A sentença judicial atende à Ação Civil Pública com pedido de tutela antecipada proposta pelo Ministério Público Estadual em desfavor do Estado do Maranhão, em que o autor relata a precariedade no funcionamento do Instituto Médico Legal e Instituto de Criminalística devido à escassez de funcionários para atender à demanda de trabalho. De acordo com o autor da ação, “apesar da necessidade de adequação do quadro pericial em nenhum momento o Estado demonstra a intenção concreta de realizar a nomeação dos profissionais para regularizar o sistema pericial”.

Em sua manifestação, o Poder Executivo Estadual alegou violação do princípio de separação de poderes. Segundo o Estado, “a nomeação de candidatos excedentes de concurso público está na área do poder discricionário da Administração, que a seu critério pode dizer quando e em qual oportunidade convocará candidatos excedentes em determinado concurso público, como no caso”.

Validade do concurso

Para o juiz, a necessidade de incremento do quadro funcional de peritos da polícia científica do Estado do Maranhão encontra-se patente nos autos. O magistrado destaca documento elaborado pela Associação da Polícia Técnico-Científica do Maranhão que aponta para a necessidade de cerca de 1.200 peritos oficiais para atender à demanda imposta e segundo o qual o Maranhão ocupa atualmente o posto do terceiro pior índice do Brasil na relação peritos/habitantes, qual seja, 1/63.607 (a relação ideal sugerida por organismos internacionais é de 1/5.000).

O juiz cita, ainda, dados do Quadro Demonstrativo por Cargo elaborado pela Supervisão de Recursos Humanos da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Estado do Maranhão, “pelo qual se constata a existência de vagas para a nomeação dos aprovados no certame”.

E conclui: “o prazo de validade do concurso encerra-se em dezembro do corrente ano, o que demonstra com mais clareza a necessidade da imediata nomeação, para que a Administração Pública não tenha que esperar os longos trâmites de um novo concurso público para poder nomear novos servidores”.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.