Em Imperatriz

Jovem morto em confronto com polícia era suspeito da morte de PM em assalto

Segundo a polícia, "Pedim" teria dado cobertura durante assalto a loja.
IMIRANTE.COM24/09/2019 às 22h53
Jovem morto em confronto com polícia era suspeito da morte de PM em assaltoSuspeito de assalto que culminou na morte de PM, em Imperatriz, morre após troca de tiros com a polícia (Foto: Divulgação)

IMPERATRIZ - Um jovem identificado como Pedro Brito Sousa, de 19 anos, conhecido como "Pedim", morto durante uma troca de tiros com a polícia na noite de ontem (23), em Imperatriz, é um dos suspeitos da ação criminosa que culminou na morte do policial militar Wanderson Monteiro dos Santos Silva, de 27 anos, enquanto trabalhava como segurança numa loja de celulares, no Centro da cidade.

De acordo com o titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Praxisteles Martins, "Pedim" teria dado cobertura para seu comparsa, um jovem de 17 anos, quando anunciou o assalto que terminou com a morte do PM. “Apesar de ele não ter entrado no estabelecimento, estaria dando cobertura aos infratores. E, a polícia, tanto civil como militar, estava no propósito de capturá-lo, e ele acabou morrendo durante o confronto. Não se entregou, tentou reagir a ação policial”.

O confronto entre os policiais e “Pedim” aconteceu na noite dessa segunda-feira, na Rua Coriolano Milhomem, no bairro Bacuri. Após ser ferido, o suspeito foi socorrido por uma patrulha da própria Polícia Militar e levado ao Hospital Municipal de Imperatriz, onde morreu horas depois. Considerado pela Justiça como indivíduo de alta periculosidade, “Pedim” é suspeito, ainda, de, pelos menos, três homicídios, além de vários outros crimes, como roubo de moto e assalto a mão armada.

Imagens de câmeras de monitoramento da loja onde aconteceu o latrocínio, roubo seguido de morte, localizada na Rua Paraíba, bairro Juçara, mostram o momento da ação criminosa, e apontam jovem de 17 anos como o autor do disparo contra a cabeça do policial miliar, que morreu no local. Após o crime, os bandidos fugiram levando um par de aliança.

Até agora a polícia trabalha no sentido de prender o jovem de 17 anos, mas ainda não obteve êxito. O caso segue sob a investigação da DHPP para elucidar o latrocínio de policial militar Wanderson Monteiro, que com apenas dois anos na corporação teve a vida interrompida enquanto fazia a segurança particular de uma loja de celulares. Recém-casado, ele deixou a esposa grávida.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.