Ação polícial

Advogados de ITZ são presos por intermediar propina a Thiago Bardal

Os advogados ligados aos assaltantes de banco intermediavam o pagamento da propina cobrada pelos policiais presos, em torno de R$100 mil, segundo a SECCOR.
Tátyna Viana/Imirante.com28/11/2018 às 15h04
Advogados de ITZ são presos por intermediar propina a Thiago Bardal Ary Cortez Prado Júnior e Werther Ferraz Júnior. ( Foto: Reprodução / Redes Sociais)

IMPERATRIZ - Os advogados Werther Ferraz Júnior e Ary Cortez Prado Júnior foram presos na operação realizada de forma simultânea em São luís e Imperatriz. Os mandados de prisão preventiva foram expedidos pela 1ª vara criminal de São Luís. Também foram presos na capital o ex-superintendente estadual de investigações criminais (Seic) do Maranhão, Thiago Bardal, e o investigador João Batista de Sousa.

Leia também:

Thiago Bardal é preso suspeito de envolvimento com assaltos a banco

Thiago Bardal paga fiança e deixa prisão na Cidade Operária

A ação é resultado de uma investigação da SECCOR e do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) do Ministério Público do Maranhão.

Segundo a SECCOR e o GAECO, os presos tinham relações com bandos de assalto a banco no interior do Maranhão por receberem propina para evitar as prisões dos chefes, por exemplo. Os policiais mantinham relação direta com os advogados ligados aos assaltantes que intermediavam o pagamento da propina cobrada pelos policiais, em torno de R$100 mil por assalto realizado.

Em nota, a Polícia Civil do Maranhão informou investiga, ainda, se há participação de outros policiais no esquema criminoso.

Veja nota na íntegra:

A Polícia Civil do Estado do Maranhão, por meio da Superintendência Estadual de Prevenção e Combate à Corrupção (Seccor), em trabalho conjunto com o Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual, informa que, na manhã desta quarta-feira (28), cumpriu mandados de prisão preventiva contra o delegado de Tiago Mattos Bardal, o investigador João Batista de Sousa Marques e os advogados Werther Ferraz Júnior e Ary Cortez Prado Júnior. De forma simultânea, foram realizadas também buscas nas residências dos acusados, em São Luís e Imperatriz.

As ordens judiciais foram expedidas pela 1ª Vara Criminal de São Luís e decorrem de investigação conjunta, iniciada no primeiro semestre deste ano, que aponta que os presos se associaram, de forma estável e permanente, com o objetivo de extorquir grupos criminosos. Os acusados receberiam parcela dos produtos dos assaltos a agências bancárias e prestariam proteção, mediante o pagamento de propina, aos integrantes do crime organizado.

Os policiais presos seguem para a Delegacia da Cidade Operária (Decop) e os advogados para o sistema prisional, onde ficarão à disposição da Justiça.

A Polícia Civil investiga, ainda, se há participação de outros policiais no esquema criminoso.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.