Em Imperatriz

Funcionários do Macroregional reclamam de salários atrasados

Os funcionários denunciam que os salários vêm sendo pagos de maneira irregular desde setembro do ano passado.
Imirante.com Imperatriz09/07/2018 às 13h19

IMPERATRIZ - O caso do idoso Agostinho José Pereira, 64 anos, que morreu no último sábado (7), por omissão de socorro no Macrorregional em Imperatriz, Ruth Noleto, não é a única polêmica envolvendo o hospital. É que todos os serviços do hospital são realizados por empresas terceirizadas, e os funcionários denunciam que os salários vêm sendo pagos de maneira irregular desde setembro do ano passado.

Leia também: Por falta de atendimento, homem morre no Macroregional

Numa das empresas, os funcionários estão há três meses sem receber nenhum pagamento. A empresa é a Amazônia limitada, que presta serviços de portaria e controle de acesso às alas do hospital. Por causa da falta de pagamento, alguns dos 15 trabalhadores não conseguem mais nem ir ao trabalho.

A empresa que administra o Hospital Macroregional Ruth Noleto é o Instituto Gerir. Um documento, o qual o Imirante teve acesso, enviado pelo instituto a Secretaria de Estado da Saúde no dia 4 de maio deste ano, informa o atraso nos repasses, e que o débito em atraso, naquele mês já somava mais de 24 milhões de reais.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.