Rio 2016

Estúdio asiático volta a criticar o Rio em vídeo com assalto, zika e ciclovia

O estúdio asiático retrata a violência na sede dos Jogos Olímpicos, além dos casos de zika e até da ciclovia Tim Maia, que caiu em abril.
Gazeta Esportiva16/05/2016 às 16h49

MUNDO - O Tomo News, estúdio asiático que havia produzido um vídeo retratando a poluição nas águas do Rio de Janeiro, divulgou uma nova animação, desta vez destacando outros problemas da sede dos Jogos Olímpicos de agosto.

Intitulado “Brasil deveria cancelar os Jogos porque ninguém quer morrer comparecendo”, o vídeo começa mostrando uma galinha passando a Tocha Olímpica a uma passista, e a cena é acompanhada dos dizeres: “Quem quer morrer vindo aos Jogos Olímpicos do Rio?”. O animal, então, é perseguido por bandidos, que aparecem em uma cerimônia de premiação. Portando armas, os criminosos roubam as medalhas e assassinam os atletas no pódio.

A violência da capital carioca continua sendo abordada pelo vídeo, que simula o ex-jogador Rivaldo pedindo para os turistas não virem ao Rio.

A queda da ciclovia Tim Maia, ocorrida no último mês, também é retratada. Dois ciclistas não sobrevivem ao desmoronamento e, na sequência, o Cristo Redentor aparece chorando.

Assim como no primeiro vídeo, a poluição da cidade é novamente destacada. Na animação, evidencia-se que, se os fatores anteriores não matarem, a poluição fará isso.

Por fim, o assunto que mais vem alarmando os atletas e turistas que irão aos Jogos: o zika vírus. Na imagem, um casal é surpreendido pelo Aedes aegypti, já que a doença pode ser transmitida sexualmente. Aliás, a microcefalia em bebês causada pela doença também é abordada, e citada como “ótimo presente ao mundo”. De forma irônica, o vídeo é encerrado com um “obrigado, Rio”.

Leia outras notícias em ImiranteEsporte.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.