Noite de música e celebração

Festival Garagem Alternativa festeja a música autoral maranhense com sucesso de público

Primeira edição do evento reuniu atrações dos mais variados ritmos e agitou o público do início ao fim.

Na Mira

- Atualizada em 10/12/2023 às 16h37
Público foi ao delírio no Festival Garagem Alternativa ( Foto - Pâmula Carvalho)
Público foi ao delírio no Festival Garagem Alternativa ( Foto - Pâmula Carvalho)

SÃO LUÍS - Em ritmo frenético, aconteceu na noite deste sábado (9), no Tebas Café Cultural, no Centro Histórico, a primeira edição do Festival Garagem Alternativa. Vinte apresentações subiram no palco em uma noite de confraternização da música autoral maranhense. A sensação que ficou foi que esse evento precisa ganhar mais espaço na cidade, o que abrirá portas para novos artistas. Em um espaço só, o público curtiu rock, rap, carimbó, reggae, pop em uma mistura de ritmos alucinante. Os produtores ressaltaram que o evento superou as expectativas em relação ao público e festejaram o boa recepção que iniciativa teve. Todas as atrações foram convidados do podcast Garagem Alternativa, produto do portal Imirante.com, neste ano de 2023. 

VEJA MAIS 

Veja imagens da primeira edição edição do Festival Garagem Alternativa

Desde às 17 horas com os portões abertos, o Festival Garagem Alternativa iniciou o primeiro show por volta das 19h, com o tap feminino maranhensese de REF de Medusa, que surpreenderam o público com a nova geração do gênero aqui no Maranhão. Na sequência, Geoh nolasco emendou um setlist de trap e Barb M² deu uma quebrada no rimto, com seu pop eletrônico, com bastante melancolia na voz. O lado mais romântico do público foi ao delírio. 

“Nossa, que evento. Que shows. Que massa mesmo. O evento e tudo mais. Vocês estão de parabéns. Foi muito bom, com certeza não vou esquecer desse dia”, comentou Geoh Nolasco. 

A rapper Medusa durante sua apresentação no evento ( Foto - Pâmula Carvalho)
A rapper Medusa durante sua apresentação no evento ( Foto - Pâmula Carvalho)

Na sequência, Dann seguiu exaltando a nova geração do rap maranhense, junto com Gu70, mas logo nos 30 minutos depois MR. Adnon e Biodz chegaram pesado com bastante reggae e tambor de crioula. Aí na uma seguinte a quebra de ritmo foi ainda maior. A banda Desdemona ETC chegou com seu rock alternativo dando outro sabor ao evento. O público adorou. “Sensacional isso aqui. Impressionante a junção de tanta música diferente no mesmo palco. Acho que nunca vi algo tão diverso aqui na cidade. Estou aproveitando cada momento”, comentou a estudante Raquel Froes. 

Banda Desdemona e seu rock alternativo levantaram a galera ( Foto - Pâmula Carvalho)
Banda Desdemona e seu rock alternativo levantaram a galera ( Foto - Pâmula Carvalho)

E como a ideia era surpreender mesmo o público, depois do rock alternativo da Desdemona deu lugar ao rock emo, com vocais melódicos e guturais da galera da banda Hacervo. “Poder juntar essa galera, todo mundo que passou pelo podcast, é algo indescritível, não tenho palavras. Com alguns contratempos, conseguimos entregar o que sonhamos. Deu certo. Estou emocionado”, disse um dos produtores do evento, Eduardo Lindoso. 

Clima frenético, teatral e final com Carimbó

Depois do rock emo, subiu no palco o meninos da banda Basttardz, que “quebraram tudo” com um hardcore frenético, que deixou o público “maluco”. Depois da apresentação da Basttardz, Eduardo L voltou a trazer um pouco de rap, em uma mistura de boom bap e trap e Emílio Sagaz misturou rap, com reggae e música regional. Em seguida, a rapper Adharaa mostrou pra galera seu drill de muita qualidade. 

“Ver isso aqui sair do papel, algo que eu sonhei lá atrás, e que muitas pessoas acreditaram, se realizar é gratificante demais. Foi lindo. Divertido e tenho certeza que outros virão. O público pediu isso hoje aqui”, disse André Nadler, um dos produtores do festival. 

Na reta final da festa, a banda Cofo de Parafernalha apresentou um show totalmente intrigante e interessante, com uma música futurista e regional ao mesmo tempo e uma performance teatral em cima do palco. Depois da Cofo, Yhago Sebaz botou todo mundo pra dançar com o pop/afrofuturista e suas dançarinas dando um show à parte. 

E pra fechar a noite deixando a galera relaxada, para “soltar as pernas” e voltar para casa bem, a banda Carimbó dos Macacos fez um belo show, fazendo valer aquele velho clichê: “fechou com chave de ouro”. 

Banda Basttardz deixou o clima frenético na festa ( Foto - Pâmula Carvalho)
Banda Basttardz deixou o clima frenético na festa ( Foto - Pâmula Carvalho)

 

 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.