Investigação

Vaqueiro é preso, novamente, suspeito de participar da morte de Nenzin

Investigações apontam que “Luizão” estava com Mariano Filho, apontado como assassino do ex-prefeito, na hora da execução.
Imirante.com30/01/2018 às 16h55
Vaqueiro é preso, novamente, suspeito de participar da morte de NenzinManoel Mariano de Sousa, conhecido como “Nenzin”, foi assassinado a tiros no dia 6 de dezembro de 2017. (Foto: Reprodução)

Barra do Corda - A polícia Civil prendeu, novamente, o vaqueiro Luzivan Rodrigues da Conceição Nunes, conhecido como “Luizão”, suspeito de ter envolvimento na morte do ex-prefeito Manoel Mariano de Sousa, conhecido como “Nenzin”, o qual foi assassinado a tiros no dia 6 de dezembro de 2017.

Saiba mais sobre o caso:

Morre o ex-prefeito de Barra do Corda Nenzin após ser baleado

Polícia caça criminosos que mataram ex-prefeito “Nenzin”

Filho do ex-prefeito “Nenzin” é preso suspeito de ter assassinado o pai

Filho de Nenzin depõe e nega envolvimento na morte do pai

Segundo informações da Polícia Civil, as primeiras investigações apontavam que o vaqueiro Luizão tinha participação no caso, sendo que o suspeito chegou a ser preso, mas negou as acusações e afirmou que não estava na cidade no dia do crime. Como a polícia não tinha provas de que “Luizão” estava em Barro do Corda na ocasião do assassinato, o vaqueiro teve que ser liberado.

Agora, após continuar as investigações, a Polícia Civil conseguiu obter provas de que Luzivan Rodrigues estava na cidade e seria a pessoa que acompanhou Mariano Filho, o “Júnior de Nenzin” o qual é apontado como assassino do ex-prefeito, na hora da execução.

Luzivan Rodrigues da Conceição Nunes foi preso nesta terça-feira, na cidade de Barra do Corda, e depois foi transferido para São Luís. O vaqueiro se encontra detido no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, à disposição da Justiça.

Mais sobre o caso

Mariano Filho, que é acusado de ter assassinado o próprio pai, está preso desde o dia 8 de dezembro, mas ele continua negando ter cometido o crime.

As investigações continuam no intuito de saber se há mais envolvidos, e a polícia analisa a possibilidade de fazer a reconstituição do crime, para obter mais informações sobre o caso e finalizar o inquérito.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.