Em Arame

Justiça define guarda provisória de bebê abandonado em cemitério

Na primeira audiência, realizada nessa sexta, a guarda provisória ficou com a família paterna.
Imirante.com11/01/2020 às 09h53
Justiça define guarda provisória de bebê abandonado em cemitérioFoto: Reprodução

ARAME – Em audiência realizada nessa sexta-feira (10), foi definida a guarda provisória do bebê João Miguel, que foi abandonado no dia em que nasceu dentro de uma caixa no cemitério da cidade Arame, a 300 km de Imperatriz. Na audiência que foi realizada a portas fechadas, a guarda provisória ficou com a família paterna.

O menino estava sob os cuidados da Casa da Criança em Imperatriz, enquanto pai e mãe brigam na Justiça pela guarda de menino. Com a decisão provisória, João Miguel deve voltar para a família paterna, que já cuidou dele durante um mês.

O bebê foi encontrado dia 2 de novembro, dentro de uma caixa de papelão, logo após o nascimento. A suspeita é que ele tenha sido deixado pela própria mãe, que agora estaria arrependida e quer ficar com a criança. Um juiz chegou a conceder a guarda provisória para a mulher, mas a decisão foi revogada.

Agora pai e mãe brigam na Justiça pela guarda definitiva do menino. “Eu de fato, sou o pai, comprovado pelo teste de DNA. E estamos em busca, queremos ficar com a guarda definitiva do bebê”, afirmou Querlason Soares.

Outras duas audiências devem ser realizadas até que o juiz decida quem vai ficar com a guarda definitiva de João Miguel.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.