Cobrança indevida

Empresa deve indenizar cliente que sofreu cobrança de conta prescrita

No pedido feito junto à Justiça, a mulher alega que foi chamada de "velhaca" e "enrolada" pelo representante da empresa.
Divulgação/CGJ-MA23/07/2020 às 15h40
Empresa deve indenizar cliente que sofreu cobrança de conta prescritaO caso aconteceu na cidade de São Mateus do Maranhão. (Arte: Imirante.com)

SÃO MATEUS DO MARANHÃO - Uma empresa foi condenada a indenizar uma cliente que sofreu a cobrança de uma conta já prescrita e quitada. O caso aconteceu na cidade de São Mateus do Maranhão.

A cliente procurou a Justiça relatando que foi surpreendida em sua residência ao receber a visita de um representante do Armazém Paraíba, entregando-lhe documento de cobrança relativa a compra de um colchão, compra esta já devidamente quitada.

No pedido feito junto à Justiça, a mulher alega que foi chamada de "velhaca" e "enrolada" pelo representante da empresa. Devidamente citado, o Armazém Paraíba apresentou contestação, na qual afirma que a sua cobrança foi legítima e em decorrência não do contrato informado pela autora, mas de dívida por ela assumida e parcelada de compra realizada por seu filho. Ademais, informa que seus agentes agiram de acordo com postura coerente e sem excessos.

“Em análise profunda do processo, verifica-se que, quando devidamente citada, a parte ré apresentou contestação, porém os argumentos de fato apresentados pelo requerido não foram capazes de justificar a legalidade da cobrança em nome da autora, uma vez que não comprovou que esta continuasse inadimplente com o contrato de compra e venda. O documento apresentado pelo representante da loja indica como código o n.º 197***, exatamente os mesmos que tratam de parcelas do que ainda seria devido”, relata a sentença, frisando que a autora juntou ao processo comprovantes de quitação das parcelas.

Prescrição

Segue a Justiça explicando que, conforme o processo, a última parcela da referida compra tem data de vencimento indicada como 10/01/2003, tendo sido a cobrança realizada em 20/03/2010, o que demonstraria pretensão a prescrição, conforme o Código Civil. “A autora não conseguiu comprovar o fato de que a cobrança que lhe foi realizada foi feita com truculência, o que não afasta a ilegalidade da cobrança”, observa a sentença.

Entende que caberia ao réu, vez que alega a existência do débito, apresentar provas da veracidade e validade do mesmo, e não o fez. Por fim, o Judiciário decide julgar parcialmente procedentes os pedidos da parte autora, condenado o Armazém Paraíba ao pagamento do valor de R$ 2 mil referentes aos danos morais.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.