Geral | Doenças raras

Saúde abre consulta pública sobre diretrizes para tratar doença de Fabry

Contribuições da sociedade e profissionais da área podem ser enviadas até 5 de julho; confira como participar
20/06/2021 às 09h12
Saúde abre consulta pública sobre diretrizes para tratar doença de Fabry (Divulgação)

Brasília - O Ministério da Saúde está elaborando documento com novas diretrizes para diagnóstico e tratamento da doença de Fabry. Para isso, a pasta abriu consulta pública para ouvir a sociedade e especialistas da área. As contribuições servirão como subsídio para a construção do novo protocolo. Qualquer pessoa ou instituição podem enviar à pasta sugestões, relatos de experiências pessoais ou conteúdo científico até o dia 5 de julho. Clique aqui para participar.

A doença genética e rara é causada pela falta completa ou parcial da proteína responsável pela degradação de um tipo de gordura nas células do corpo humano. A condição é hereditária e traz, como consequência, o acúmulo progressivo de gordura no organismo, principalmente no sistema nervoso, renal, cardíaco e gastrointestinal.

O tratamento dos sintomas consiste em mudanças no estilo de vida dos pacientes e no uso de medicamentos que evitem dores e sintomas gastrointestinais. Nos casos mais avançados, podem incluir diálise e transplante renal.

Psoríase

A pasta também abriu, nesta semana, consulta pública para colher contribuições sobre proposta de atualização do protocolo e diretrizes para tratamento da psoríase. Clique aqui para participar. As manifestações podem ser enviadas até 5 de julho.

O texto do protocolo apresenta critérios para diagnóstico, métodos de avaliação da gravidade e extensão das lesões e condutas terapêuticas de acordo com a classificação da psoríase.

Autoimune, a doença inflamatória atinge a pele e não é contagiosa. Ocorre quando o próprio sistema de defesa do corpo começa a atacar as células dermatológicas, causando lesões na pele.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte