Geral | Vacina

Presidente suspende compra de seringas até preço voltar a normalidade

Até o momento o Ministério da Saúde só conseguiu comprar cerca de 2,4% do total de unidades que a pasta desejava adquirir
Com informações do UOL Notícias e O Globo06/01/2021 às 09h44
Presidente suspende compra de seringas até preço voltar a normalidadePresidente suspende compra de seringas até preço voltar a normalidade (DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO)

Brasília - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira, 06, que o Ministério da Saúde suspendeu a compra de seringas “até que os preços voltem à normalidade”. Bolsonaro também disse que estados e municípios têm estoques de seringas suficientes para o início da vacinação contra a Covid-19.

Na última semana, o ministério fracassou na primeira tentativa de comprar seringas e agulhas para a imunização. Das 331 milhões de unidades que a pasta tem a intenção de comprar, só conseguiu oferta para adquirir 7,9 milhões no pregão eletrônico. O número corresponde a cerca de 2,4% do total de unidades que a pasta desejava adquirir.

As empresas reclamaram que os preços pagos pelo governo estavam abaixo dos praticados no mercado.

“Como houve interesse do Ministério da Saúde em adquirir seringas para seu estoque regulador, os preços dispararam e o MS suspendeu a compra até que os preços voltem à normalidade. Estados e municípios têm estoques de seringas para o início das vacinações, já que a quantidade de vacinas num primeiro momento não é grande”, escreveu o presidente em suas redes sociais.

Após o fracasso na primeira tentativa de compra, o governo federal restringiu a exportação de seringas e agulhas. A Secretaria de Comércio Exterior do Ministério da Economia passou a exigir, desde 1º de janeiro, uma licença especial para autorizar a exportação de agulhas e seringas, o que deixará o processo de liberação das mercadorias mais lento que o normal.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte