Cidades | Repercussão

Cofen e Coren-MA manifestaram repúdio a médico que atacou enfermeiros em rede social

O médico Kayke Paiva postou em suas redes socias uma série de insultos a enfermeiros; a UFMA também se manifestou sobre o caso
Kethlen Mata/ O Estado 28/10/2020 às 11h03
Cofen e Coren-MA manifestaram repúdio a médico que atacou enfermeiros em rede socialConselho Federal de Enfermagem foi um das entidades que manifestaram repúdio (Reprodução)

São Luís – O médico Kayke Paiva, de Barra do Corda, Maranhão, postou em suas redes sociais, na última segunda-feira, 26, uma série de stories no seu Intagram, insultando profissionais de enfermagem, após ser perguntando o que achava da classe. Não demorou muito para que o assunto ficasse em evidência, principalmente entre trabalhadores da área da saúde. No dia seguinte – 27 de outubro – o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e o Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (Coren-MA), emitiram notas de repúdio sobre os vídeos publicados pelo médico.

Entre um dos insultos disparados pelo médico, ele disse que “ou tu faz enfermagem, ou usa o 'xerecard', ou então tu faz medicina”. A declaração não foi bem recebida, já que insinuou que vender o corpo é mais rentável que ser enfermeiro, além de ter feito referência ao órgão sexual feminino quando utilizou o termo 'xerecard'.

“Medicina [é] que dá dinheiro. O resto é resto (…). A enfermagem só existe porque a medicina existe”, afirmou.

A conta onde as ofensas foram proferidas já foram excluídas do Instagram.

Cofen

O médico lançou uma nota em sua defesa, segundo ele, em nenhum momento as declarações desrespeitaram a profissão de enfermagem. “Acredito que, sem ela, não há saúde, pois um hospital não funciona sem os enfermeiros. Quando mencionei o termo ‘xerecard’, quis dizer que talvez vender o corpo seja uma boa ideia para ganhar dinheiro, já que a enfermagem está tão desvalorizada”, afirmou.

O Cofen se manifestou sobre o ocorrido, e disse que solicitará ao respectivo Conselho Regional de Medicina (CFM) a abertura de processo ético disciplinar contra Kayke Paiva.

“Os insultos proferidos por Kayke Paiva em seus ‘stories’ é um desrespeito a 2,2 milhões de enfermeiros, técnicos e auxiliares de Enfermagem, que estão 24h ao lado dos pacientes e dedicam suas vidas à Saúde da população, em um momento de pandemia global”, cita trecho da nota da instituição.

A nota disse ainda, que até o momento, Kayke Paiva não apresentou retratação, e o departamento jurídico do órgão está avaliando a possível adoção de outras medidas contra o médico, na esfera cível e penal.

Leia a nota completa:

"O Conselho Federal de Enfermagem informa que, após avaliar conteúdo encaminhado por dezenas de profissionais ofendidos, solicitará ao respectivo Conselho Regional de Medicina a abertura de processo ético disciplinar contra Kayke Paiva, que se identifica como médico e divulgou, por meio de redes sociais insultos à profissão de Enfermagem. A página onde o conteúdo foi originalmente divulgado não está mais disponível.

Os insultos proferidos por Kayke Paiva em seus “stories” é um desrespeito a 2,2 milhões de enfermeiros, técnicos e auxiliares de Enfermagem, que estão 24h ao lado dos pacientes e dedicam suas vidas à Saúde da população, em um momento de pandemia global. Revelam, ainda, desconhecimento sobre a complexidade do trabalho multiprofissional em Saúde e desprezo pela integridade do ser humano.

Até o momento, Kayke Paiva não apresentou retratação. O departamento jurídico do Cofen está avaliando a possível adoção de outras medidas contra o médico, na esfera cível e penal."

Coren-MA

O Coren-Ma manifestou total repúdio às declarações e ataques proferidos pelo médico em sua rede social. “Os stories agridem e menosprezam a atuação do exercício dos profissionais de Enfermagem”, diz nota.

A entidade afirmou que tomará medidas cabíveis quanto ao caso.

Leia a nota na íntegra:

"A Junta Interventora do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) no Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (Coren-MA) vem a público manifestar seu total repúdio às declarações e ataques proferidos pelo médico Kayke Paiva em rede social, os Stories agridem e menosprezam a atuação do exercício dos profissionais de Enfermagem.

Reiteramos também que, devido à pandemia, situação que deixou em tamanha evidência a profissão de Enfermagem para o mundo, em razão da posição que esse profissional ocupa na linha de frente no combate à covid-19, receber ataques desta natureza demonstra o quão desinformado este cidadão é para a sociedade.

Repudia-se, também, a participação de uma profissional de Enfermagem em um episódio tão lamentável quanto esse, que deveria demonstrar a importância da Enfermagem.

Por fim, o Coren-MA reitera seu repúdio às declarações do profissional médico Kayke Paiva, que desconhece os limites de sua atuação e afirma que tomará medidas cabíveis que o caso requer."

Nota de repúdio da UFMA

A Universidade Federal do Maranhão, também manifestou repúdio sobre as ofensas disparadas pelo médico, a nota foi assinada pelo reitor Natalino Salgado, que é médico.

Leia a nota na íntegra:

“A Universidade Federal do Maranhão, tendo em vista o caso de publicação, em rede social, pelo profissional médico Kayke Paiva, de ofensas à profissão de Enfermagem, vem a público expressar o seu repúdio a tal conteúdo, ao mesmo tempo em que afirma o enorme valor dos profissionais de Enfermagem para a estrutura de saúde.

A formação em Enfermagem é tão vital quanto qualquer outra da cadeia da saúde e, como tal, merece o devido respeito e reconhecimento.

É importante ressaltar que a opinião desse profissional, preconceituosa e inconsequente, não representa o conjunto da categoria médica, que tem se pautado pelo sentimento de trabalho conjunto entre os profissionais da área de saúde.

A UFMA, como entidade formadora e efetivadora da saúde no Estado do Maranhão, com cursos de Medicina e Enfermagem em três dos seus nove câmpus, tem pautado a sua formação pelo respeito e senso de valorização e coletividade entre todos os profissionais que forma. E lamenta profundamente situações desse tipo.”

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte