Geral | Economia

Maranhão será um dos estados beneficiados pelo Banco Da Amazônia

O plano Safra 2020-2021 aplicará R$ 5 bilhões no agronegócio e na agricultura familiar, sendo r$ 3 bilhões destinados à agricultura familiar, micro e pequenos produtores dos oito estados onde o Basa atua
Com informações da assessoria 06/07/2020 às 11h04
Maranhão será um dos estados beneficiados pelo Banco Da AmazôniaReprodução

São Luís - Responsável por cerca de 64% do crédito de fomento aplicado no Norte do país, segundo dados do Banco Central, o Banco da Amazônia (Basa) dá prosseguimento a operações de financiamento com recursos de fomento. Na terça-feira, 30 de junho, a Instituição lançou o Plano Safra 2020-2021, cujos recursos alcançam R$ 5 bilhões para investimentos nos setores agrícola e pecuário. O Maranhão será um dos beneficiados pelo programa.

O lançamento ocorreu por meio de um webinar feito no canal do Youtube do banco, com a participação do presidente e do diretor Comercial e de Distribuição, respectivamente, Valdecir Tose e Francimar Maciel. Foram convidados para participar do evento a subsecretária de Fundos e Incentivos Fiscais do Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR), Karen Teles, o diretor de Crédito e Informação da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Wilson Araújo, o segundo vice-presidente de Finanças da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Muni Lourenço Júnior, e o consultor de crédito e desenvolvimento rural do Instituto Conexões Sustentáveis (Conexsus), João Guadagnin.

Em alinhamento com o Plano Safra 2020-2021 do Governo Federal, os valores do Basa para o Plano Safra que iniciou nesta quarta-feira, dia 1º de julho, e vai até o dia 30 de junho do próximo ano, serão aplicados em empreendimentos localizados nos nove estados da Amazônia Legal onde a empresa tem unidades. Além do Maranhão, o projeto também será aplicado nos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Dos R$ 5 bilhões disponíveis, R$ 2 bilhões serão para os médios e grandes produtores e R$ 3 bilhões para os produtores de micro e pequeno porte, sendo R$ 600 Milhões para a agricultura familiar. Esses recursos são 25% maiores que o Plano Safra anterior do banco.

Taxas reduzidas para o produtor rural e agricultor familiar

Para deixar o crédito ainda mais atrativo ao empreendedor, o Basa praticará redução das taxas de juros anuais para o Plano Safra 2020-2021. Para se ter ideia da medida, as taxas do Pronaf que estavam entre 3 a 4,6% no período anterior, passaram a vigorar no novo Plano Safra com uma variação entre 2,75% a 4%, a depender do que irá ser financiado. Algumas linhas de financiamento para a agricultura familiar contam com taxas de 0,5% (Pronaf A e B) e de 1,5% (Pronaf A/C).

As taxas de custeio do FNO também sofreram redução, passando de 5,55% para 4,44% aos produtores com receita bruta anual até R$ 16 milhões, um decréscimo de mais de um ponto percentual. O médio e o grande produtor também foram beneficiados com a diminuição dos percentuais das taxas, alcançando entre 4,58% e 4,86% ao ano, para investimento e custeio, respectivamente.

Plataformas digitais

Os representantes do Banco da Amazônia também destacaram o processo de transformação digital que a Instituição vem vivenciando ao longo dos últimos anos e que precisou ser acelerado por conta da pandemia de COVID 19. Foi citada, ainda, a criação do aplicativo Sua Conta Basa, que pode ser utilizado por empresas e por clientes pessoas físicas.

O app permite ao cliente adiantar seu cadastro junto ao banco, enviar os documentos solicitados pela instituição sem precisar ir até uma agência. Também foi abordado sobre o aplicativo Simulador do FNO, que possibilita simular operações de crédito com esse fundo de forma simples e verificar as condições mais vantajosas para o financiamento.

Outro destaque foi dado para o Terras Pronaf, que permite a análise socioambiental de propriedades rurais a partir de imagens feitas por satélite. A plataforma tornou as operações do Pronaf mais ágeis, pois substituiu as visitas que eram feitas às propriedades para fazer esses levantamentos in loco. Os representantes do Banco da Amazônia falaram, ainda, sobre o Terras para o agronegócio, que emite, dentre outros dados, as áreas de uso e de reserva legal de forma automática e ágil. Outra informação dada durante o webinar para divulgar o Plano Safra 2020-2021 do Banco da Amazônia foi sobre a concessão e a renovação de operações de custeio que, hoje, levam de dois a cinco dias após a aprovação de limite, pois o processo ficou mais simplificado. Antes, esse tipo de operação levava entre 15 e 20 dias em média.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte