Economia | Covid-19

Empresas buscam minimizar impactos do coronavírus no Maranhão

Entidades de classe orientam empresas maranhenses a acompanharem de perto a rotatividade dos estoques e o ritmo de vendas e a tomarem medidas como renegociação de prazos com fornecedores
19/03/2020
Empresas buscam minimizar impactos do coronavírus no MaranhãoMovimento na Rua Grande tem se reduzido após medidas contra vírus (Paulo Soares)

Ainda que no Maranhão não tenham casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19), medidas preventivas adotadas pelo poder público estão impactando na vida das pessoas, o que também tem efeito colateral nas empresas. Diante dessa realidade, a orientação das entidades de classe é de que os empresários acompanhem mais de perto a rotatividade dos estoques e o ritmo das vendas.

Diante desse cenário de menor circulação de pessoas nos centros de consumo, como comércio lojista de rua e shoppings, restaurantes, hotéis e demais segmentos econômicos, a Confederação Nacional do Comércio (CNC) e Fecomércio-MA orientam as empresas a renegociarem prazos com fornecedores para melhorar os fluxos de caixa, além de cortar temporariamente despesas consideradas supérfluas e esforço maior para aproximar os vencimentos de despesas com as receitas visando auxiliar o caixa.

As duas entidades também assinalam ser importante observar o movimento de consumidores nas lojas e estabelecimentos. E, caso necessário, recomenda-se ajustar a jornada de trabalho dos funcionários, pois os custos com a mão de obra também podem ser reduzidos.

O presidente da Associação Comercial do Maranhão (ACM), Cristiano Fernandes, diz ainda não ser possível medir o tamanho do impacto do coronavírus na economia do estado, mas manifestou preocupação principalmente em relação às micro e pequenas empresas de suportar essa fase, que não se sabe quanto tempo irá perdurar. “È importante que essas empresas comecem a tomar medidas internas cabíveis para que esse impacto seja o menor possível”.

Prevendo redução nas vendas diante da menor circulação de pessoas, a ACM também recomenda às empresas de um modo geral que revejam seus níveis de estoques, alinhado à condição de venda atual, renegociando prazos de pagamentos com fornecedores e corte de despesas.

Impactos
Cristiano Fernandes também falou da importância do comércio, mesmo com fluxo menor de pessoas, tomar medidas preventivas ao coronavírus. Mesma orientação que é dada pela CNC/Fecomércio/MA de que no dia a dia dos estabelecimentos, lojas e empresas, os funcionários e colaboradores devem ser orientados a observar com atenção o movimento, utilizando álcool em gel após contato e atendimento aos clientes.
O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema), Edilson Baldez, adiantou que já adotou procedimentos de prevenção e segurança contra os impactos do coronavírus na instituição e instalou o Comitê de Controle para fazer frente a essa pandemia.

Quanto aos impactos desse surto epidêmico na economia, ele diz que é necessário promover ajustes emergenciais para o enfrentamento da crise, principalmente porque o Maranhão, assim como outros estados que dependem em larga escala das transferências federais, será fortemente afetado pela redução do processo industrial, atingindo a oferta e a demanda de produtos, o fluxo de caixa das empresas, a reposição de estoques e outros impasses como alteração dos horários e regimes de trabalho, que exigem ajustes a essa situação conjuntural. “O grande problema é que não se sabe quanto tempo irá durar essa crise”, concluiu Baldez.

A Câmara de Dirigentes Lojistas de São Luís (CDL São Luís) afirmou que ainda não é possível prever numericamente o impacto econômico da atual situação varejista, nessa situação de coronavírus. “O funcionamento das empresas varejistas é de fundamental importância para a economia da cidade, não podemos parar, mas devemos sim, adotar todas as medidas possíveis de prevenção”, afirmou Fábio Ribeiro.

Ele informou que a CDL recomendou aos lojistas disponibilizar aos clientes, assim como a todos os colaboradores, dispensers com álcool em gel para higienização pessoal. E também orientou reforçar a limpeza com uso de álcool 70% em áreas como pisos, corrimões, maçanetas e banheiros, balcões e demais equipamentos de uso público.

Soluções para a crise
Para ajudar os pequenos negócios a superarem esse momento de crise, o Sebrae está desenvolvendo um conjunto de soluções voltadas a atender a cada um dos segmentos mais atingidos. De acordo com o gerente de Relacionamento com o Cliente do Sebrae, Enio Pinto, a crise pode ser uma oportunidade para o empreendedor criar soluções inovadoras, que contribuam com o desenvolvimento e a profissionalização do negócio.

“No passado, as grandes empresas engoliam as pequenas. Hoje, nós vemos que são as empresas mais ágeis que superam as mais lentas. E, nesse sentido, o pequeno negócio tem mais agilidade e pode se adequar mais rapidamente e dar respostas mais rápidas, no contexto de crise”, comenta Enio Pinto.
Segundo o especialista, a crise é causada fundamentalmente por um problema de caixa. Na medida em que a população se vê forçada a circular menos e evita sair de casa, o consumo de produtos e serviços tende a ter uma queda significativa. “Se o problema é de caixa, a gente precisa buscar o equilíbrio. Isso passa por tentar reforçar as receitas, por um lado, e reduzir os custos de outro”, diz o gerente Enio Pinto.

Canais digitais estão sendo recomendados para atendimento a clientes

A BRK Ambiental, prestadora de serviços de água e esgoto, é uma das empresas que está promovendo ações estruturadas com o objetivo de minimizar os riscos para funcionários e clientes por conta do avanço do Covid-19. A concessionária está incentivando seus clientes a usarem os canais digitais e o 0800 da empresa para evitar concentração de pessoas nas lojas de atendimento, pois por recomendação dos órgãos de saúde, deve-se evitar aglomerações como medida preventiva para reduzir a transmissão do vírus.

O telefone de atendimento da empresa – 0800 771 0001 – funciona 24 horas por dia. Por este canal é possível solicitar uma série de serviços, tais como: 2ª via de conta, histórico de consumo, alteração de dados cadastrais, declaração negativa de débitos e notificação de ocorrências, sem a necessidade de deslocamento até os postos de atendimento. Por meio do site da empresa (brkambiental.com.br) também é possível falar com a concessionária. Em horário comercial, a página da BRK no Facebook (facebook.com/brk.ambiental) também realiza atendimentos e, assim como site, permite a emissão de segunda via das faturas: basta digitar a #2viabrk no chat e seguir as orientações.

Também seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e dos órgãos oficiais de saúde local, Equatorial Maranhão está desenvolvendo medidas para preservar a saúde dos consumidores e colaboradores, a fim de garantir o funcionamento dos serviços e prevenir a expansão do Covid-19.

Desse modo, visando reduzir o risco de infecção, a Equatorial Maranhão dá alternativas de atendimento para que os clientes não precisem ir às agências presenciais e, recomenda que priorizem o uso dos canais digitais para solicitar serviços e atendimentos emergenciais.

Um desses canais é a Clara, assistente virtual, que realiza serviços por WhatsApp, em qualquer dia e horário. Ela funciona com inteligência artificial e basta salvar o número (98) 2055-0116 no celular e chamar por mensagem de texto a Clara pelo WhatsApp.

Saúde e segurança

O Grupo Potiguar já adotou diversas medidas preventivas, de acordo com as orientações do Ministério da Saúde, visando garantir a saúde e segurança de seus colaboradores e clientes de suas lojas em São Luís e Imperatriz.

Foi ampliada, por exemplo, a limpeza nas lojas em áreas como pisos, corrimãos, balcões e caixas, cestas e carrinhos de compras, assim como está sendo disponibilizado álcool em gel em várias áreas das lojas, para uso de clientes e colaboradores. Os atendentes estão orientados a evitar cumprimentos e a manter distância mínima necessária dos clientes.

As viagens corporativas foram suspensas, assim como o recebimento de visitas de fornecedores e parceiros de outros estados e países. Todas as reuniões estão sendo feitas em sistema de teleconferência. A empresa também optou por cancelar temporariamente eventos como cursos e workshops nas lojas, para evitar aglomerações.

Mais

Covid-19

O Grupo Potiguar está acompanhando atentamente a situação do Covid-19 no estado e espera que, com essas medidas já adotadas, possa colaborar de forma efetiva para evitar a contaminação do vírus.

Quanto aos estoques de produtos de limpeza e máscaras os mesmo estão sendo disponibilizados para venda, na medida dos estoques, com os menores preços possíveis.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte