Vida | Limpeza

Após excessos da Páscoa, um cardápio detox e saudável

A Páscoa passou, mas os efeitos dos chocolates permanecem no organismo; os excessos no consumo podem gerar sintomas como cansaço, dor de cabeça e má digestão, por isso, o melhor é desintoxicar o corpo
23/04/2019

São Paulo - Para muitas pessoas, pode ser difícil evitar alguns excessos durante a Páscoa, sobretudo com a grande oferta de chocolates. “Embora o chocolate tenha muitas propriedades benéficas, o exagero nunca é saudável”, frisa a nutricionista do Grupo São Cristóvão Saúde, Cintya Bassi, que elaborou um cardápio para auxiliar a desintoxicar o organismo após o feriado.
Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a média do consumo de chocolate em 2018 supera 5 kg por pessoa na Grande São Paulo. A nutricionista do Grupo São Cristóvão Saúde, Cintya Bassi, conta que uma das principais razões dessa atração por chocolate é que ele age como uma espécie de antidepressivo natural. “O chocolate faz com que o sistema nervoso libere substâncias estimulantes, o que nos leva a ter momentos de prazer intenso”, comenta.
Ela explica que o chocolate costuma ser visto como um vilão por conter grande quantidade de gordura saturada e açúcar. Porém, ele também conta com nutrientes e vitaminas que fazem muito bem ao organismo, especialmente, quando fazemos escolhas corretas de chocolates com maior teor de cacau e menor teor de gordura e açúcar. “Chocolate é rico em fósforo, ferro, cálcio e potássio, além de conter magnésio, manganês, vitaminas A, D e E e do complexo B”, diz Cintya Bassi.
A solução, segundo a especialista, é não exagerar. “Quando comemos uma grande quantidade em um curto espaço de tempo, acabamos sobrecarregando o organismo com toxinas que geram sintomas como cansaço, má digestão, dor de cabeça, enfraquecimento do sistema imunológico etc.”, alerta.
Pensando nisso, a nutricionista do Grupo São Cristóvão elaborou um cardápio detox de três dias. “As refeições sugeridas priorizam alimentos de fácil digestão, baixo potencial alergênico e com propriedades depurativas que agem principalmente no fígado e intestino, órgãos responsáveis pela metabolização da maior parte dos nutrientes”, explica. Confira abaixo!

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte