Economia | Reajustes de preço

Aumento de combustível tem afetado consumidor de São Luís

Segundo o Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Maranhão, prejuízo para o consumidor é reflexo dos sucessivos reajustes anunciados pela Petrobras e também pelo aumento do ICMS aprovado pelo Governo do Estado
09/03/2019

Na última semana, os postos repassaram ao consumidor final parte do valor do aumento do li­tro de combustível em São Luís, sendo a média cobrada hoje de R$ 4,18 o litro da gasolina. De acordo com o presidente do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Maranhão (Sindcombustíveis-MA), Leopoldo Santos, a variação do preço do litro do combustível ocorreu em virtude dos sucessivos reajustes repassados pela Petrobras, aliado ao aumento na alíquota do ICMS estabelecido pelo Governo do Estado.
Conforme o Sindcombustíveis-MA e a tabela da Petrobras, em janeiro, o valor médio do litro da gasolina (A) repassado pela Refinaria aos revendedores foi de R$ 1,50. Já no dia 8 de março o valor correspondeu a R$ 1,72, sem esquecer da variação do etanol presente no combustível, que também sofre alterações. Em relação ao Diesel (A), a Petrobrás repassou o valor de
R$ 1,80 no mês de janeiro, e agora dia 8 de março o valor do litro já alcançara R$ 2,18. No caso do diesel, soma-se o aumento de 10% referente ao biodiesel.
“Os sucessivos aumentos da Petrobras chegaram, em parte, à bom­ba dos postos. Já o aumento no ICMS, que é de 28,5% mais 2% para o Fundo Maranhense de Combate à Pobreza (Fumacop), totalizando 30,5%, rendeu um acréscimo de R$ 0,10 no valor do litro na gasolina. No diesel, o ICMS é de 16,5% mais 2% do Fumacop, totalizando 18,5%, o que gera um acréscimo de R$ 0,04 no valor do litro”, destacou o presidente do Sindcombustíveis-MA.
Apesar dos aumentos, Leopoldo Santos informou que São Luís é uma das cidades que possui o menor valor de venda do litro do combustível, tanto no Brasil, quanto no Maranhão. “A cidade de Imperatriz, por exemplo, já comercializa do litro com valores acima de R$ 4,00 desde o final do ano passado”, ressaltou. Segundo ele, se fosse cobrado um valor real, a média do preço da gasolina deveria estar em torno de R$ 4,59, mas a concorrência do mercado não permite.
Para o segmento de postos de combustíveis, o ano de 2019 tem sido sacrificante. Neste primeiro trimestre do ano, a queda do consumo já é de 25% , também atribuída a outras despesas recorrentes do ano, entre elas IPVA, material escolar, IPTU, etc.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte