Indeferimento

Davinópolis: Justiça nega habeas corpus ao vice-prefeito

José Rubem Firmo é apontado como mandante da morte do prefeito Ivanildo Paiva ocorrido em novembro do ano passado; ele e mais cinco estão presos

Ismael Araújo

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h26
José Rubem Firmo apontado como mandante da morte do prefeito
José Rubem Firmo apontado como mandante da morte do prefeito (Rubem)

DAVINÓPOLIS - O Tribunal de Justiça do Maranhão negou o habeas corpus impetrado pela defesa do vice-prefeito de Davinópolis, José Rubem Firmo, o Rubens Lava Jato. De acordo com a polícia, ele e os militares Francisco de Assis Bezerra Soares, o Tita; Willame Nascimento Silva; e os civis, José Denilson Feitosa Guimarães, o Boca Rica; Douglas Silva Barbosa e José Antônio Messias, o Messias do Pneu Zero, estão presos acusados pela morte do prefeito de Davinópolis, Ivanildo Paiva. Esse crime ocorreu no dia 10 de novembro do ano passado, na zona rural dessa cidade.

O indeferimento do habeas corpus foi assinado no último dia 22 pelo desembargador José Luiz Almeida. Segundo o magistrado, no dia 9 de janeiro deste ano a prisão temporária de Rubens Lava Jato foi convertida em prisão preventiva, então, os motivos alegados pela defesa não mais subsistem e sendo forçoso reconhecer algum tipo de prejudicialidade.

A defesa do acusado tinha alegado que o vice-prefeito de Davinópolis está preso desde o dia 31 de dezembro do ano passado em cumprimento de mandado de prisão temporária, possui residência fixa e já foram cumpridos os mandados de busca e apreensão, assim como já houve a quebra de sigilos telefônicos.

Inquérito

A polícia entregou no último dia 17, no cartório de distribuição no Fórum Henrique de La Roque Almeida, em Imperatriz, o inquérito que investigou o assassinato de Ivanildo Paiva. Segundo a polícia, cerca de R$ 200 mil teria sido o valor cobrado pelos executores desse crime. A motivação seria de cunho político e econômico. Seis pessoas estão presas suspeitas de envolvimento no episódio.

Ainda de acordo com a polícia, Rubem Firmo e José Messias estão sendo acusados como os mandantes desse crime. Enquanto, José Denilson teria contratado por aproximadamente R$ 200 mil os militares Francisco de Assis e Willame Silva para assassinarem o prefeito Ivanildo Paiva. Quanto a Douglas Silva, ele teria emprestado um veículo aos executores.

Ivanildo Paiva foi encontrado morto com perfurações de sete tiros e com os pés e mãos amarrados em uma área de matagal, na zona rural de Davinópolis, no dia 11 de novembro do ano passado. No dia anterior, dois homens foram até a chácara da vítima, nessa localidade, e teriam perguntado ao caseiro, onde encontrariam terras naquela região para comprar. Eles chegaram a pedir informações sobre o prefeito.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.