Polícia | Feminicídio

Acusado de tentar matar a ex responderá por dois crimes

Eliezer da Cunha Reis foi autuado pelos crimes de sequestro e tentativa de feminicídio; fato ocorreu na noite de quinta-feira, em um motel na Areinha, e a vítima, até a sexta-feira, permanecia em estado grave no Socorrão I
Ismael Araújo07/04/2018
Acusado de tentar matar a ex responderá por dois crimesWeslayne Maiane Correa que foi baleada por Eliezer da Cunha Reis (Divulgação)

SÃO LUÍS - A polícia confirmou a prisão em flagrante de Eliezer da Cunha Reis, de 36 anos, pelos crimes de sequestro e tentativa de feminicídio contra sua ex-mulher, fato ocorrido na noite de quinta-feira, 5. O acusado foi encaminhado nesta sexta-feira, 6, para o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde aguardará decisão da Justiça. Segundo a polícia, Eliezer da Cunha sequestrou e tentou matar Weslayne Maiane Correa, de 32 anos, dentro de um motel, no bairro da Areinha. A mulher, atingida com dois tiros, permanece internada no Hospital Socorrão I, no Centro, em estado grave.

Esse caso está sendo investigado pelo Departamento de Feminicídio, órgão ligado à Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoas (SHPP). A delegada Viviane Azambuja, chefe do departamento, declarou que o acusado, na manhã de quarta-feira, 4, abordou a vítima, no Cohafuma, obrigando-a sob a ameaça de morte, a entrar em seu carro. A vítima foi levada para um motel, nas proximidades do local da abordagem.

O acusado tentou reatar o namoro, mas como não obteve sucesso, abandonou a mulher. No mesmo dia, Weslayne Maiane registrou uma ocorrência na Delegacia Especial da Mulher (DEM), no Jaracati contra o ex-companheiro, solicitando, inclusive, uma medida protetiva. “A DEM ainda chegou a fazer o pedido de medida protetiva ao Poder Judiciário”, explicou a delegada.

Ainda de acordo com as informações de Viviane Azambuja, na noite de quinta-feira, Eliezer da Cunha se deslocou até as proximidades da residência de Weslayne Maiane, na Liberdade, em um veículo alugado, um Corsa de placas não identificadas. Ao se encontrar com a mulher, o acusado a obrigou, mais uma vez, sob a ameaça de morte, a entrar no carro. Ele, então, a levou para um motel, na Areinha.

Tiro

Os familiares da vítima foram informados do que estava acontecendo e acionaram imediatamente a polícia, por meio do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops). A delegada declarou que equipes da Polícia Militar começaram a realizar rondas pela cidade com o objetivo de localizar o carro do acusado e após algumas horas localizaram o casal no motel.

Os militares deram início à negociação com o acusado visando a liberação da vítima sem ferimentos. Ele ainda chegou a exigir a presença de jornalistas no local, mas acabou disparando dois tiros na cabeça de Weslayne Maiane. Em seguida, ele se entregou, jogando a arma no chão.

Eliezer da Cunha foi então conduzido primeiramente ao plantão de Polícia Civil do Anjo da Guarda, mas foi reconduzido ao plantão da Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção a Pessoas (SHPP), na Avenida Beira Mar, onde foi autuado em flagrante pelos crimes de sequestro e tentativa de feminicídio. “Eliezer da Cunha Reis, ao depor, falou que ainda amava Weslayne Maiane e não aceitava o fim do relacionamento”, disse a delegada.

Há informações que no motel onde ocorreu a ação criminosa na noite de quinta-feira ocorreu um princípio de motim. Populares, ao tomarem conhecimento do fato, tentaram linchar o acusado, mas foram contidos pelos policiais militares.

Ainda na tarde desta sexta-feira, 6, estava previsto para ocorrer a audiência de custódia do acusado, no Fórum Desembargador Sarney Costa, no Calhau, presidida pela juíza plantonista, Rosária de Fátima, que é titular da 1º Vara da Mulher.

Grave

Weslayne Maiane Correa foi socorrida pela ambulância do Serviço Móvel de Urgência (Samu) e conduzida ao Socorrão I. Na portaria dessa casa de saúde ocorreu uma movimentação intensa durante a noite de quinta-feira, e madrugada desta sexta-feira, de familiares e amigos da vítima para saberem informações sobre o estado da paciente.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informou, por meio de nota, que a paciente Weslayne Maiane deu entrada nesse hospital e foi prontamente atendida. A paciente recebeu todos os procedimentos médicos necessários e seu estado de saúde é considerado gravíssimo.

Um dos familiares da vítima concedeu entrevista a equipe da TV Mirante e declarou que Weslayne Maiane tinha sido submetida a tratamento cirúrgico e necessitava de ser internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) desse hospital.

Foragido

A delegada Viviane Azambuja informou que ainda nesta sexta-feira, Francisco das Chagas Araújo Nascimento continuava foragido e que já havia pedido um mandado de prisão ao Poder Judiciário. Ele é acusado de ter assassinado a ex-companheira, Celiane Pereira Alves, de 30 anos, na última quinta-feira, no bairro do Coroado.

O corpo da vítima foi encontrado em uma quitinete, onde morava, com uma faca cravada na nuca. Os peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) constataram mais marcas de golpes de faca no corpo de Celiane Alves.

A delegada também informou que o suspeito teria chegado à capital recentemente e que teria alugado a quitinete há menos de duas semanas. Ele ainda ligou aos seus familiares, na madrugada de quinta-feira, 5, afirmando que tinha assassinado a sua ex-mulher. “Esse criminoso vai responder por dois crimes feminicídio e sequestro, pois, existe a possibilidade de ele ter sequestrado a vítima”, informou Viviane Azambuja.

Saiba mais

Dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP) revelaram que ocorreram 50 casos de feminicídio no Maranhão no ano passado, e que este ano, 12 casos e duas tentativas já foram registrados, entre eles, dois na Região Metropolitana de São Luís.

Frase

“Eliezer da Cunha Reis, ao depor, falou que ainda amava Weslayne Maiane e não aceitava o fim do relacionamento”.

Delegada Viviane Azambuja, chefe do Departamento de Feminicídio

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte