Geral | Perda

João Chiador morre aos 78 anos de parada cardíaca

No Boi da Maioba, um dos grupos mais antigos da Ilha de São Luís, ele iniciou sua carreira de sucesso, e depois passou a comandar o Boi de Ribamar
07/08/2017

A cultura popular maranhense começa a semana de luto com o falecimento de um dos principais cantadores de bumba meu boi, João Chiador. O amo do Boi de São José de Ribamar faleceu no fim da tarde de ontem, em sua casa, após sofrer uma parada cardíaca. Ele vinha se tratando de um acidente vascular cerebral (AVC) há 10 meses. João Chiador tinha 78 anos e deixou esposa, filhos, netos e bisnetos. Enterro será hoje no Cemitério Jardim da Paz, na Estrada de Ribamar.
João Chiador teve um AVC em outubro do ano passado e passou quatro meses internado no Hospital de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira. Após isso, ele estava se tratando em casa, sendo acompanhado por uma equipe médica. Segundo Lady Dayane Reis, uma das filhas do cantador, o quadro dele era estável. “Mas nos últimos dias ele deu uma esmorecida e teve uma parada cardíaca em casa, no fim da tarde de hoje [ontem]”, informou a O Estado.
João Chiador faria 79 anos no dia 20 deste mês. Nascido na comunidade do Tajaçuaba, não seria exagero dizer que João Costa Reis, como era seu nome de batismo, tinha o bumba meu boi no sangue. Com pai, irmão e avô cantador, ele costumava dizer que começou a cantar toadas ainda na barriga de sua mãe, Clara Costa Reis. Foi com o pai, Cândido Bento dos Reis, que foi cantador do Bumba Meu Boi de Maracanã, outro dos grupos mais tradicionais do estado, que ele teve as primeiras lições.
Quando tinha apenas 15 anos, a mãe de João Costa Reis recebeu uma visita de um emissário do Boi de Ribamar que pediu que ela o deixasse cantar no batalhão, pois, apesar da pouca idade, já demonstrava talento para ocupar o posto. Mas foi no Boi da Maioba, um dos grupos mais antigos da Ilha de São Luís, que ele iniciou sua carreira a convite de Luís “Anavó”. No grupo, gravou 12 discos. No final da década de 1980, ele deixa o grupo e vai comandar o Boi de Ribamar, com o qual gravou 10 discos.
Ao longo de sua vida, ele compôs algumas das toadas mais clássicas do bumba meu boi maranhense, como “Lua generosa” e “Senhora de Aparecida”. O apelido pelo qual se tornou conhecido, João “Chiador”, lhe foi dado por Anjo Reis, pois sempre que ia pescar de canoa, este lhe dizia, em tom de brincadeira “Chia, João, chia”, que, na verdade, era um pedido para que ele cantasse.
João Chiador também se arriscou como político, candidatando-se a vereador em São José de Ribamar, mas não foi eleito, apesar da popularidade que adquiriu nas décadas como cantador.
Quando das comemorações dos 50 anos de cantoria, João Chiador recebeu homenagem do escritor José Ribamar Sousa dos Reis na série Memória da Cidade com o livro-CD “João Chiador, 50 anos de glória: meio século de cantoria”. O disco tem participação de Zeca Baleiro e Alcione.

Para continuar aproveitando o conteúdo de O Estado faça seu login ou assine.

Já sou assinante

entrar

Ainda não sou assinante

assine agora

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte