Vida | Sem padrão

Nem todo pão integral é saudável como imaginamos

Produto é realmente integral se o primeiro ingrediente na tabela nutricional for a farinha de trigo integral
08/12/2016
Nem todo pão integral é saudável como imaginamosNos EUA, é considerado integral produto com 50% de grãos integrais (Divulgação)

SÃO PAULO - A tarefa de escolher um pão integral na gôndola do supermercado é mais complicada do que parece. Apesar de existirem dezenas de opções de produtos disponíveis, muita gente acaba comprando um produto que na embalagem consta como integral, mas que, na realidade, não é.

"Para ter certeza de que está levando um pão integral, é preciso olhar o rótulo. De acordo com as normas da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), a lista de ingredientes deve estar organizada por ordem de quantidade, ou seja, aquele que aparece em primeiro, existe em maior quantidade", explica o nutricionista Ricardo Zanuto, doutor em Fisiologia do Exercício pela Universidade de São Paulo (USP).

Sendo assim, o pão só será integral se o primeiro ingrediente que aparecer na tabela for a farinha de trigo integral e não a farinha branca - também chamada de farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico. Semíramis Domene, nutricionista e professora do Departamento de Políticas Públicas e Saúde Coletiva da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), não recomenda a escolha de pães em que a farinha integral esteja apontada como segundo ingrediente na composição.

"O primeiro ingrediente é o que vem em maior quantidade. Se a farinha integral ou o centeio aparecer como segundo ou terceiro item, não dá para saber se ela está em 49% da composição ou em apenas 1%, pois não é mais o ingrediente principal".

Legislação

De acordo com Semíramis, essa confusão acontece no Brasil por não haver uma legislação que defina com precisão o que é o alimento integral. "A Anvisa permite que os fabricantes rotulem o produto como integral se ele tiver esse tipo de farinha na composição, independentemente da quantidade utilizada", explica.

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) tem levado essa discussão junto à Anvisa para termos uma legislação para produtos integrais do ponto de vista da nutrição. Nos Estados Unidos, por exemplo, existem percentuais definidos: para o produto ser considerado integral é preciso ser composto de, no mínimo, 50% de grãos integrais.

Procurada, a Anvisa confirmou que não existem critérios na legislação sanitária para produtos integrais e que, por isso, neste ano, a agência iniciou uma discussão para atualizar a norma. "A intenção dessa revisão é estabelecer os critérios mínimos para que os alimentos possam utilizar a declaração 'integral'", disse em nota.

Benefícios

Trocar o pão branco pelo integral é indicado não só para quem quer emagrecer, mas também ter uma vida mais saudável. "Os pães que utilizam farinha ou grãos integrais possuem uma maior quantidade de nutrientes. Além disso, eles têm maior teor de fibras, que tornam a digestão mais lenta e, assim, proporcionam uma sensação de saciedade por mais tempo", diz Marina Politi, nutricionista de São Paulo. As fibras também possuem um papel importante na regulação do trânsito intestinal.

Zanuto acrescenta que os grãos integrais também têm papel importante na aceleração do metabolismo, o que é positivo para quem quer perder peso. "Eles também liberam o açúcar aos poucos na corrente sanguínea, o que os torna uma boa opção para quem tem diabetes ou se preocupa em prevenir a doença. Mas, mesmo com esses benefícios, não se pode exagerar no consumo", explica.

Escolhendo

Antes de comprar um pão, além de checar o tipo de farinha na lista de ingredientes, outros aspectos devem ser levados em conta, como a quantidade de aditivos em sua composição. "Conservadores, emulsificante, fortalecedor de farinha, acidulante, edulcorante... Essas são coisas que não encontramos na feira porque não são ingredientes, são aditivos. O pão de verdade é feito com farinha, água, fermento e um pouco de sal, todo o resto é aditivo tecnológico para dar sabor e melhorar a aceitação do produto", diz Semíramis.

"A farinha branca (ou a enriquecida com ferro e ácido fólico) também deve estar entre os últimos ingredientes da lista, assim como o açúcar - caso ele esteja presente na composição", explica a nutricionista Marina.

MAIS

Segundo o "Guia Alimentar para a População Brasileira", publicado pelo Ministério da Saúde, o pão de pacote industrializado está na categoria de alimentos ultraprocessados. Ou seja, tem na composição ingredientes modificados e com muito aditivos. "Os adjuvantes tecnológicos [aditivos] são usados para deixar o pão mais macio (padrão de consumo de quem gosta do pão branco), além de aumentar a validade do produto. O pão verdadeiramente integral é mais duro e, por ser livre de qualquer tipo de conservante, tem uma validade muito curta, estraga em três dias", diz Semíramis

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte