Vida | Qualidade de vida

Noites mal dormidas aumentam riscos para a saúde

De acordo com a Associação Mundial de Medicina do Sono, apenas um terço da população consegue ter uma noite bem dormida. Problema pode desencadear graves prejuízos à saúde
O Estado On-line, com informações de assessoria09/03/2016 às 11h38
Noites mal dormidas aumentam riscos para a saúde

SÃO PAULO - De acordo com a Associação Mundial de Medicina do Sono, problemas relacionados ao sono constituem uma epidemia global, que ameaça a saúde e a qualidade de vida de até 45% da população mundial. Para chamar a atenção para o assunto, uma campanha será realizada no Dia Mundial do Sono, celebrado no dia 18 deste mês.

O Dia Mundial do Sono foi criado como forma de alertar a população sobre os riscos à saúde por conta de noites mal dormidas. Promovido pela Associação Mundial de Medicina do Sono, o evento visa aumentar o conhecimento da população sobre a gravidade dos distúrbios do sono, bem como destacar o fato de haver prevenção e tratamento para a grande maioria dos casos identificados.

Neste ano, a campanha tem como tema: Uma boa noite de sono é um sonho acessível. “Esse é o desejo de todos, porém ele só se torna realidade para um terço da população mundial. O bom sono é uma das funções definidas entre os pilares da saúde, juntamente com uma dieta equilibrada e a prática de exercícios físicos. Quando o sono falha, a saúde declina”, afirma o otorrinolaringologista Edilson Zancanella, coordenador do Departamento de Medicina do Sono da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial (ABORL-CCF).

Edilson Zancanella alerta para o fato de menos de um terço dos portadores de algum tipo de distúrbio do sono procurar por ajuda profissional. “Outros problemas associados à qualidade ruim das noites de sono são: falta de atenção, concentração reduzida e diminuição da produtividade física e intelectual, bem como o aumento no risco de acidentes”, finaliza o médico.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte