Dia de São Pedro

Grupos de bumba meu boi e procissões homenageiam São Pedro nesta segunda

O Largo da Capela de São Pedro, na Madre Deus, amanheceu tomado por grupos de bumba meu boi. Há 75 anos, eles mantêm a tradição

- Atualizada em 11/10/2022 às 12h57
Largo da Capela de São Pedro durante preparativos para festa
Largo da Capela de São Pedro durante preparativos para festa (Largo de São Pedro )

O Largo da Capela de São Pedro, na Madre Deus, amanheceu tomado por grupos de bumba meu boi. Há 75 anos, eles mantêm a tradição de homenagear o santo padroeiro dos pescadores. Até o fim do dia, pelo menos 100 grupos devem ir pedir benção ao santo. As homenagens terão ainda duas procissões. A procissão marítima, marcada para as 16h e deve reunir cerca de 50 embarcações. Em seguida, centenas de fiéis percorrerão as ruas do centro de São Luís durante a procissão terrestre. Operação de segurança e de trânsito foram montadas para garantir a tranqüilidade do festejo.

Desde o dia 20 deste mês a capela dedicada a São Pedro lota de fiéis rendendo homenagens ao padroeiro, mas é na virada da noite do dia 28 para o dia 29 (data dedicada ao santo) que acontece o ponto máximo do festejo. Durante a noite e toda a madrugada, dezenas de grupos de bumba meu boi saem de suas apresentações nos arraiais da cidade e seguem para a capela, onde pedem a bênçãos e proteção e agradecem pela temporada junina.

Grupos de bumba-meu-boi de vários sotaques, principalmente os de matraca, se apresentam por ordem de chegada no largo em frente à igreja. A duração da festa é longa, seguindo até a noite de hoje. Ao longo do dia, além da programação folclórica, a comunidade católica da Madre Deus cumpre uma programação religiosa. As celebrações religiosas seguem durante todo o dia, quando acontecem as duas procissões, outras tradições do festejo.

A partir das 16h, cerca de 50 embarcações devem se concentrar na Rampa Campos Melo, Praia Grande, de onde seguem em procissão marítima. No ano passado, mais de 40 embarcações participaram do cortejo. Logo depois, será realizada a procissão terrestre. No retorno à capela, será celebrada missa campal, que deve reunir 3 mil fieis.

Segundo o Comando de Policiamento da Área Metropolitana I (CPAM I), serão destacados 200 policiais para a Capela de São Pedro, na Madre Deus. O policiamento conta ainda com 24 viaturas, 16 motocicletas, 10 conjuntos a cavalo. Para coibir a ação de criminosos, a polícia orienta ainda que quem for à capela de São Pedro evite portar jóias, relógios e acessórios de alto valor e usar telefones celulares no meio da multidão. Além disso, é aconselhável que as pessoas levem apenas a quantidade de dinheiro necessária para o consumo e evitar brigas e tumultos.

Por causa das festas de São Pedro, o trânsito terá algumas alterações. Segundo a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), será intensificada a fiscalização de trânsito nas imediações da Capela de São Pedro. Desde a noite de ontem, a Avenida Senador Vitorino Freire, na Areinha e em frente à capela, conta com disciplinamento com agentes de trânsito, em função das festividades de São Pedro.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (Semus), equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estarão disponíveis nas proximidades da Capela de São Pedro. Duas unidades móveis do serviço serão disponibilizadas para os eventos. Além das equipes e das unidades, técnicos do Samu estarão, a partir de parceria com a Secretaria de Segurança Pública, 24 horas na central do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) para acompanhar os registros de ocorrência na capital maranhense e, desta forma, facilitar o encaminhamento de equipes do serviço.

História

Segundo a comunidade da Madre Deus, o festejo na Capela de São Pedro teve início há 74 anos. O festejo teria se originado no Desterro, em 1939, indo para a Madre Deus em 1940, onde havia mais pescadores, cujo padroeiro é o santo. Na época, a capela era de taipa e coberta com palha. Apenas em 1949 foi erguida a de alvenaria, com o apoio do político e industrial Cesar Aboud, dono da Fábrica Santa Isabel, de tecelagem.

Em 1945, o comunitário João Fonseca criou a comissão organizadora. Assim, a festa ganhou leilão de prendas, procissões terrestre e marítima, além da louvação de bumba-bois. Naquela época, só os bois de zabumba, como os de Mizico, Medonho e Lorentino, parabenizavam São Pedro. Depois, os de matraca passaram a participar do encontro, que atualmente reúne grupos de todos os sotaques. Em 1949, houve a inauguração do templo, com apoio da Colônia de Pescadores Z-1, da Madre Deus. A capela foi reformada por mais três vezes, duas delas pela Prefeitura de São Luís, em 1973 e 1995. A arquitetura atual data de 1997 e foi feita pelo Governo do Estado, na primeira gestão da governadora Roseana Sarney.

Números

200 policiais garantirão a segurança durante o encerramento do festejo de São Pedro

100 grupos de bumba meu boi devem passar pelo Largo de São Pedro

50 embarcações devem participar da procissão marítima

3 mil pessoas devem participar da procissão terrestre e missa campal

Programação ­ Festa de São Pedro

Procissão marítima

Horário: 16h

Trajeto: A imagem de São Pedro segue até a Rampa Campos Melo no carro do Corpo de Bombeiros. A saída da procissão é no local e a mesma passa pelo Jenipapeiro, Ponta d’Areia até retornar para a Rampa Campos Melo

Procissão terrestre

Terá início com o retorno da procissão marítima à Praia Grande. Saída da Rampa Campos Melo em direção à Rua das Cajazeiras; passagem pela Rua de São Pantaleão e do Passeio, Praça da Saudade (Madre Deus) e encerramento na Capela de São Pedro.

Missa campal

Será realizada com a chegada da procissão terrestre

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.