Dicas

Disfagia pode prejudicar o desenvolvimento nutricional da criança

Fonoaudióloga explica o que é e alerta sobre a importância do diagnóstico correto.

Na Mira, com informações da assessoria

Dificuldade para mastigar e engolir, dor ao engolir, tosse, engasgo, pneumonias recorrentes e perda de peso podem ser sintomas de disfagia.
Dificuldade para mastigar e engolir, dor ao engolir, tosse, engasgo, pneumonias recorrentes e perda de peso podem ser sintomas de disfagia. (reprodução)

BRASIL - Crianças que não conseguem se alimentar corretamente, muitas vezes, podem estar sofrendo de disfagia, condição médica caracterizada pela dificuldade de engolir alimentos sólidos, líquidos e pastosos e que pode aparecer em qualquer fase do processo de deglutição. 

A fonoaudióloga Carla Deliberato explica que a disfagia se apresenta em vários graus de acordo com sua complexidade, podendo variar de leve à severa. Existe a disfagia neurogênica (alteração neurológica) ou disfagia mecânica, que geralmente é resultado de alterações estruturais, como por exemplo, o câncer de língua. 

“Dificuldade para mastigar e engolir, dor ao engolir, tosse, engasgo, pneumonias recorrentes e perda de peso podem ser sintomas de disfagia. A disfagia não ocorre de forma isolada e sim como consequência de outros diagnósticos associados, como por exemplo uma criança que teve paralisia cerebral e cursou com um quadro de disfagia. Essa criança apresentou uma sequela neurológica que afetou a deglutição e fez o paciente apresentar disfagia” esclarece a especialista, complementando que a avaliação clínica da deglutição bem como a realização de alguns exames objetivos complementares são muito importantes de serem realizados em pacientes com disfagia.

A profissional afirma que não existe uma idade específica para as crianças apresentarem disfagia, o que pode ter origem desde o nascimento ou ser ocasionada por alguma alteração mecânica, como uma sequela neurológica, uma doença neurodegenerativa, um câncer de laringe, entre outros acontecimentos. 

O importante para a fonoaudióloga é que os pais fiquem atentos a problemas relacionados à alimentação da criança. “Basicamente, a criança apresenta dificuldade de fazer o trânsito do alimento da boca até o estômago, o que pode implicar na redução de ingestão de nutrientes necessários para o seu desenvolvimento na quantidade adequada. Outras questões envolvem a demora na alimentação ou a deglutição errada, que faz com que muitas vezes a comida ao invés de ir para o estômago, vá parar no pulmão. E por conta disso, a criança pode ter problemas pulmonares”, alerta. 

O trabalho do fonoaudiólogo nesses casos será de realizar uma avaliação clínica do paciente e alguns exames específicos como a videofluoroscopia da deglutição e a nasofibroscopia adaptada à deglutição. 

“O diagnóstico é importante para a reabilitação. Somente compreendendo o que está acontecendo é que o fonoaudiólogo irá entrar com o exercício certo para que a criança se alimente com mais qualidade e não se engasgue, evitando assim o risco de broncoaspiração”, finaliza.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.