Som das caixas em São Paulo

Caixeiras do Divino Espírito Santo da Casa Fanti Ashanti participam do o projeto Entorno Cultural, em São Paulo.

O Estado do Maranhão

- Atualizada em 27/03/2022 às 15h30

A cultura do Maranhão invade São Paulo mais uma vez. As caixeiras do Divino Espírito Santo da Casa Fanti-Ashanti se apresentarão neste sábado e no domingo, às 15h, no Átrio do Centro Cultural Banco do Brasil, na capital paulista, com entrada franca.

Na bagagem, as caixeiras levam a rica e simbólica tradição dos rituais de uma das maiores festas populares maranhenses, a festa em celebração ao Divino Espírito Santo. A apresentação faz parte da série Raízes da Tradição: Ponto Art.br, dentro do projeto Entorno Cultural, do Banco do Brasil.

Viajaram para São Paulo as irmãs de Pai Euclides Zezé, Anunciação, Graça Mendes e Bartira Stanislaw, que se apresentarão ao lado das convidadas Renata Amaral - uma das coordenadoras do projeto - e Rosângela Macêdo, integrante do grupo Raízes da Tradição.

A série apoiada pelo Banco do Brasil conta com a participação de atores, diretores, músicos, bailarinos, documentaristas, artistas plásticos, designers e pesquisadores do Rio de Janeiro e de São Paulo. Desde 1998, o grupo desenvolve pesquisas práticas e teóricas sobre as tradições populares de diversos estados brasileiros, inclusive o Maranhão.

A ligação do grupo com o estado nasceu depois que a pesquisadora Renata Amaral - formada em composição e regência pela Universidade Estadual Paulista - apresentou-se ao lado de intérpretes maranhenses como Tião Carvalho e Rosa Reis, na capital paulista.

Viajando pelo país desde de 1991, a pesquisadora possui um acervo com mais de 200 horas de gravação digital e 2.500 fotos de festas populares de cinco estados brasileiros. Em terras maranhenses, ela produziu o CD Tambor de Mina da Casa Fanti-Ashanti, de Pai Euclides.

A base para a pesquisa de Renata Amaral engloba manifestações de canto, dança, ritmos e performances artísticas originárias da cultura popular. Um dos objetivos do projeto Raízes da Tradição é realizar o trabalho de produção cultural, arte-educação, documentação e criação de espetáculos.

A equipe técnica da Pontoart.br é composta por Gabriel Guimard (direção cênica), Renata Amaral e Éder O’Rocha (direção musical), Ana Paula Mjones (curadoria e coordenação geral), Marré (cenografia), Lili Amaral e Mariana Fontes (figurinos) e Renata Amaral (curadoria e direção artística).

A Festa - Embora seja realizada em quase todo o Brasil, a festa do Divino Espírito Santo ganha, no Maranhão, contornos bem próprios. Uma das particularidades da festa trazida pelos portugueses para a cidade de Alcântara e difundida por diversos municípios do estado é o fato de ser conduzida por mulheres que tocam um instrumento de percussão chamado caixa.

As Caixeiras do Divino, são responsáveis por manter vivos os rituais de uma tradição que acontece desde o século XIX. O ponto alto da festa no Maranhão se dá na cidade de Alcântara, porém, em São Luís, casas de culto religioso como Fanti Ashanti, das Mina e Nagô também realizam a festa.

A Casa Fanti Ashanti está em atividade desde 1954, no bairro do Anil, e cumpre um calendário anual de manifestações, entre as quais Cura/Pajelança, Baião de Princesas e Samba Angola.

Entre os feitos de destaque está o registro fonográfico do toque de tambor em dois CDs. Um deles, Tambor de Crioula na Virada pra Mata, teve produção assinada por Pai Euclides e grupo A Barca, de São Paulo.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.