Dança brasileira

"Dança é informação e somos muito ricos nesse sentido", diz bailarino Thiago Soares

O brasileiro já passou por diversos grupos de dança internacionais.
Ministério da Cidadania 28/04/2019 às 14h54
"Dança é informação e somos muito ricos nesse sentido", diz bailarino Thiago SoaresUm dos próximos projetos na agenda de Thiago será desenvolvido em parceria com a bailarina Marie-Agnès Gillot. (Foto: reprodução)

BRASIL - Às vésperas do Dia Internacional da Dança, celebrado na segunda-feira (29), o bailarino Thiago Soares se prepara para voltar aos palcos europeus após temporada no Brasil.

A estreia como coreógrafo no Municipal do Rio não deixa de ser também uma volta ao lar, já que o bailarino começou sua carreira no corpo de baile do Teatro. De lá pra cá, Thiago percorreu uma bem-sucedida trajetória internacional e recebeu diversos prêmios, entre os quais a Ordem do Mérito Cultural, mais alta honraria concedida pelo governo brasileiro na área cultural.

Thiago foi o primeiro e único brasileiro a conquistar a medalha de ouro no concurso do Ballet Bolshoi na Rússia, considerado um Oscar da dança. “Foi incrível para mim, mas também muito importante para a história da dança no Brasil. Até então, nós tínhamos grandes bailarinas de renome, Cecília Kerche, Ana Botafogo, e a medalha de ouro do Bolshoi mudou a forma de ver os bailarinos no País”, contextualiza.

O brasileiro também passou pelo corpo de ballet do Teatro Mariinsky, na Rússia, além de outros nos Estados Unidos e Japão. Em 2002, passou em uma audição para o Royal Ballet em Londres e, durante quatro anos, passou por todas as posições até alcançar o posto de primeiro bailarino, em 2006, no qual ficou até o início deste ano.

Em consenso com a direção do Royal, Thiago deixou o posto permanente de primeiro bailarino para assumir o de bailarino convidado principal. Com a nova posição, ele vai dançar alguns espetáculos selecionados como primeiro bailarino. “Foi uma forma delicada que encontramos para eu seguir na companhia e ainda poder assumir outros compromissos”, explicou.

Os estudos de dança do bailarino tiveram início em 1996, quando começou a praticar hip hop em um grupo carioca. O professor disse que ele tinha jeito e estrutura física adequadas para a dança, o que o impulsionou a buscar formação no Centro de Dança Rio. “O Centro me ofereceu apoio, me estendeu a mão. A partir de então, comecei a me dedicar 100% à dança”, relembra.

“Os projetos que oferecem formação e capacitação cultural, em dança, por exemplo, não precisam fazer de você um Nureyev [referindo-se ao bailarino russo Rudolph Nureyev, um dos mais renomados expoentes da história da dança em todo o mundo]. A arte e a cultura te ensinam muito, podem fazer as pessoas melhores, deixar um legado para a vida das crianças e jovens. Há temas, na minha vida, que só entendi depois de dançar e assistir a alguns espetáculos, só assim eu pude compreender algumas situações, ter maior senso de coletividade”, ressalta Thiago.

Maturidade

A estreia como coreógrafo faz parte dos novos rumos de Thiago, que tem se dedicado intensamente aos cursos de direção e coreografia, já construindo os próximos degraus de uma carreira que até agora tem sido mais que brilhante. Entre os planos, talvez esteja trazer para o Brasil um pouco do muito que aprendeu ao longo de todos esses anos no mercado da dança internacional.

“O Brasil é riquíssimo em estilos, em tendências e modas de dança, que aparecem de forma espontânea, como o passinho, por exemplo. Essas expressões são incríveis e isso nos coloca em um lugar muito rico como protagonista em criar estilos”, afirma. “É genial que um cantor crie uma coreografia para o refrão de sua música e que essa dança viralize em todo o País. Isso é cultura popular, é informação, informação corporal, é matéria-prima. E somos muito ricos nesse sentido”, conclui Thiago.

Um dos próximos projetos na agenda de Thiago será desenvolvido em parceria com a bailarina Marie-Agnès Gillot, do Ballet da Ópera de Paris. Em seguida, ele irá para Londres para retomar temporada com o Royal Ballet. Ainda para este ano, há a possibilidade de desenvolver outro projeto que talvez venha para o Brasil, mas o bailarino ainda prefere manter sigilo sobre essa iniciativa.

“A dança evoluiu muito nos últimos 10, 15 anos, ela bebe de fontes diferentes, da moda, do teatro. A dança está na forma do corpo e, ao mesmo tempo que requer muita disciplina, dá muita liberdade”, conclui, sobre as inúmeras possibilidades de colaboração de sua arte.

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.