SÃO LUÍS
Justiça

Acusado de estuprar matar menina de 8 anos vai a júri popular em São Luís, nesta quarta (19)

  •  
  •  

O crime aconteceu no dia 08 de junho de 2014 no bairro Maracanã.

0
Acusado de estuprar matar menina de 8 anos vai a júri popular em São Luís, nesta quarta (19)

SÃO LUÍS - O 2º Tribunal do Júri de São Luís julga, nesta quarta-feira (19), Carlos André Rodrigues da Luz, o “camarão”, 32 anos, pelo estupro e assassinato de uma menina de 8 anos. A garota foi assassinada por asfixia mecânica por esganadura, após ser violentada sexualmente. O crime aconteceu no dia 8 de junho de 2014, por volta da 0h15, no bairro Maracanã.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o réu entrou na casa da vítima, pela porta dos fundos e, na ausência de seus pais e parentes maiores, retirou a criança que se encontrava dormindo e a levou para os fundos de uma casa em construção e, lá, praticou o crime, colocando o corpo da menina em um buraco, encobrindo-o com folhas e galhos. Consta, na decisão de pronúncia, haver indicativos de ter o acusado violentado sexualmente e asfixiado a criança. Carlos André Rodrigues da Luz está preso na UPR do Olho-d’Água.

O julgamento vai ocorrer no salão do 2º Tribunal do Júri, localizado no 1º andar do Fórum Desembargador Sarney Costa (Calhau), começando às 8h30 e será, presidido pelo juiz Gilberto de Moura Lima. Atuarão na acusação o promotor de Justiça Rodolfo Soares dos Reis e, na defesa, o defensor público Marcus Patrício Soares Monteiro.

Conforme a denúncia, Carlos André Rodrigues da Luz, após discutir com a esposa em uma seresta, saiu do local por volta da meia-noite, indo para sua residência e, 30 minutos depois, a esposa foi atrás dele. No depoimento, a tia da criança contou que, na noite e do crime, na primeira vez que foi até a casa da família da menina, chegou a ver o acusado se aproximando da porta do quintal da residência, a lâmpada estava desligada, e a porta do quintal só encostada, viu o acusado tentando empurrar a porta e que havia quatro crianças no quarto, mas o réu, ao perceber a chegada da testemunha, saiu a chegada da testemunha saiu do local.

A mãe da criança disse, em seu depoimento, que, quando chegou em casa com o marido, por volta das 2h, só encontrou outros filhos, e a menina estava desaparecida. Chegaram, inclusive, a ir até a residência de Carlos André Rodrigues da Luz, procurando a criança, e o acusado estava deitado no chão no terreno em frente à casa dele. Nesse momento, os vizinhos saíram para procurar a criança, e o réu, também, ajudou nas buscas. Quem encontrou o corpo da vítima foi um irmãodo acusado por volta de 5h da madrugada, no matagal, a 25 metros do local em que o réu dormia na madrugada do crime.

No seu depoimento, Carlos André Rodrigues da Luz negou ter praticado o crime. Ele disse que, durante a seresta, discutiu com sua esposa, indo para casa, onde tiveram outra discussão, o que o motivou a ir para o terreno dormir. Também negou ter ido à porta da casa da vítima e de ter sido visto no quintal da residência da família da criança naquela noite. O O réu, também, não confessou o crime nos depoimentos feitos na polícia. Sobre o arranhão no seu pescoço, ele afirmou que foi feito por sua esposa, no momento da discussão.

A materialidade do crime, conforme consta no processo, ficou comprovada no exame cadavérico, laudo pericial em peças de vestuário e em tecido utilizados pelo acusado e pela vítima, laudo de exame químico toxicológico em material biológico, exame em local de morte violenta e, por fim, no laudo de identificação humana por biologia molecular (DNA).

Leia outras notícias em imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, Snapchat, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no YouTube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2383.

plantão i

    enquete

    INTERAÇÃO

    Você acha justas as taxas de juros cobradas pelos bancos?

    PARTICIPAR VER PARCIAL

    redes sociais