COLUNA

Meire Rabello
Administradora, Educadora Popular e Integrante de Religiões de Matriz Africana.
Meire Rabello

Perpetuação das perseguições às negras(os)?

Ressalto que as relações de poder e a discriminação não vem apenas das instituições, ela é um instrumento estrutural, pois opera também no inconsciente.

Meire Rabello

Jacob Gorender- O Escravismo Colonial modo de produção; Clóvis Moura, Dialética Radical do Brasil Negro Caio Prado Júnior. Com base nessas leituras, pressuponho em dizer que o racismo estrutural, o preconceito transcende o âmbito institucional, pois está na essência da sociedade e assim, é apropriado para manter, reproduzir e recriar desigualdades e privilégios, usando mecanismo colocado para perpetuar o atual estado das coisas das "supostas" ditos "mandantes" provisórios e aleatórios do poder. " Estado branco", definido como uma instituição que se alimenta do racismo e traz o preconceito intrínseco na sua formulação.

Ressalto que as relações de poder e a discriminação não vem apenas das instituições, ela é um instrumento estrutural, pois opera também no inconsciente. É uma forma de opressão naturalizada e que perpassa a todos os elementos sociais como: intimidação, assédio moral esse último de forma singela, os racistas tentam fazer com que o negro se sinta inferior, incapaz e procura nos mínimos detalhes justificar a sua superioridade fortalecendo a xenofobia em todos os aspectos. Configuro o assédio moral, na esfera trabalhista como abuso do exercício dos poderes reconhecidos ao empregador e, por consequência, violação dos direitos da personalidade do trabalhador. Congratulo com o pensamento de Marie France Hirigoyen. Assédio Moral no trabalho é definido como qualquer conduta abusiva (gesto, palavra, comportamento, atitude) que atende, por sua repetição ou sistematização, contra dignidade ou a integridade psíquica ou física de uma pessoa, ameaçando seu emprego ou degradando o clima de trabalho. É uma violência sub-repticia, não assinalável, mas que, no entanto, é muito destrutiva. Cada ataque tomado de forma isolada não é verdadeiramente grave; o efeito cumulativo dos microtraumatismos frequentes e repetidos é que constitui a agressão. Ah! Vale lembrar que os racistas supostamente intelectualizados brancos visíveis e invisíveis, repetidas vezes diz que os negros (as) se vitimizam para justificar a incapacidade que esta etnia afrodescendentes têm.

Os elementos que caracterizam o assédio moral no ambiente de trabalho, destacam-se: a) conduta abusiva; b) natureza psicológica que atende contra a dignidade psíquica do indivíduo; c) reiteração de conduta; d) intenção de excluir e humilhar a vítima; Ressalto que é uma atitude lesiva dos empregadores que excede os limites do poder diretivo e fiscalizatório. O assédio moral pode ser praticado por colega de trabalho contra colega de trabalho, ou seja, entre sujeitos que se encontram na mesma posição hierárquica, eis que será o caso do assédio moral horizontal. A forma mais comum de assédio moral é aquela que parte de um superior hierárquico do empregado assediado, o que se denomina assédio vertical.

Portanto, urge a necessidade de trabalho coletivo dos afrodescendentes em coibir tais práticas abusivas nos seus ambientes de trabalho e isso é um MAL-ESTAR.

As opiniões, crenças e posicionamentos expostos em artigos e/ou textos de opinião não representam a posição do Imirante.com. A responsabilidade pelas publicações destes restringe-se aos respectivos autores.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.