RISCO MÁXIMO

PF e Interpol impedem ataque de célula terrorista no Brasil

Operação Trapiche para prevenir atentados terroristas no Brasil inclui ações contra suspeitos ligados ao Hezbollah

Ipolítica

- Atualizada em 08/11/2023 às 15h55
Investigações da PF levaram desarticular ações de grupos extremistas e prevenir atentados terroristas no país. (Reprodução)

BRASÍLIA - A Polícia Federal do Brasil, em um esforço coordenado com a Interpol, iniciou a Operação Trapiche, destinada a desarticular ações de grupos extremistas e prevenir atentados terroristas no país. A operação resultou na execução de mandados judiciais e na prisão de suspeitos ligados ao planejamento de atos de terrorismo.

As autoridades brasileiras cumpriram dois mandados de prisão temporária e onze de busca e apreensão nos estados de Minas Gerais, São Paulo e no Distrito Federal, conforme determinado pela Subseção Judiciária de Belo Horizonte. Os indivíduos envolvidos, incluindo recrutadores e recrutados, podem enfrentar até 15 anos e 6 meses de reclusão por constituir ou integrar organização terrorista e realizar atos preparatórios de terrorismo, crimes considerados hediondos pela legislação brasileira.

A operação segue com um balanço de sete mandados de busca e apreensão em MG, três em DF e um em SP, além das duas prisões temporárias efetuadas em SP.

Além disso, a Interpol foi acionada para a captura de dois brasileiros com dupla nacionalidade, localizados no Líbano, suspeitos de envolvimento com o grupo terrorista Hezbollah. Estes indivíduos estariam em processo de recrutar brasileiros para a realização de ataques no Brasil, com alguns já tendo feito viagens recentes a Beirute para encontros e acordos financeiros com o grupo.

Dois brasileiros já foram detidos, um ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Guarulhos e outro proveniente de Santa Catarina. As prisões são temporárias, com duração de 30 dias, enquanto as investigações prosseguem para apurar a extensão das redes de recrutamento e os planos de atentados. A operação resultou na apreensão de celulares, computadores, agendas e anotações que podem fornecer mais evidências das conexões com o Hezbollah.

As autoridades mantêm vigilância intensa e a comunicação com agências internacionais, reafirmando o compromisso do Brasil com a segurança nacional e a luta contra o terrorismo global.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.