Linhas de produção

Retomada da Alumar viabiliza autossuficiência do mercado brasileiro de alumínio

Reinaugurada oficialmente, fábrica de Redução produzirá 447 mil toneladas métricas de alumínio por ano.

Publipost/ Alumar

- Atualizada em 28/04/2022 às 17h00
Cerimônia realizada na manhã desta quinta-feira, 28, na Alumar, marcou a reinauguração da fábrica de produção de alumínio (Paulo Soares / Grupo Mirante)

SÃO LUÍS - A retomada da fábrica de Redução pelo Consórcio de Alumínio do Maranhão (Alumar) acrescentará mais 447 mil toneladas métricas de alumínio por ano na produção nacional, elevando das atuais 910 mil toneladas métricas para 1,353 milhão de toneladas, o que tornará o país autossuficiente no mercado interno do produto. Uma cerimônia realizada na manhã desta quinta-feira, 28, na Alumar, marcou a reinauguração da planta. 

Antes do desligamento da fábrica em 2015, o Brasil ocupava a 6ª posição no mercado global de produção de alumínio primário, caindo, portanto, para o 15º lugar. “É muito positivo para a Alumar e para o Brasil essa retomada da produção de alumínio, pois colocará o país novamente em papel de destaque no cenário mundial , além de resgatar a autossuficiência na produção”, ressaltou a presidente da Associação Brasileira de Alumínio (Abal), Janaína Donas. 

O presidente da Alcoa Brasil, Otávio Carvalheira, destacou a retomada da produção de alumínio na Alumar como um momento marcante para a indústria brasileira. Ele lembrou do momento difícil da decisão tomada pela empresa em 2015 de desligar as cubas da Redução, e que houve tempos depois a proposição de se retomar a fábrica, mas o cenário de incertezas interrompeu esse sonho mas não a esperança. “Agora, a Redução volta maior, melhor e mais sustentável, com energia 100% sustentável, e o retorno de 416 colaboradores”, observou.

Presidente da Alcoa Brasil, Otávio Carvalheira, destaca que a retomada da produção de alumínio na Alumar é momento marcante para a indústria brasileira. (Paulo Soares / Grupo Mirante)

Um desses retornos é da empregada Faine Kelly, que iniciou suas atividades na fábrica de Redução, em 2006, como operadora de forno, deixando tempos depois a empresa, em 2015, com a suspensão das atividades de produção de alumínio. Sete anos se passaram e agora recontratada, exerce a função de controladora.  “A Alcoa é o melhor lugar para o profissional s formar”, falou, em depoimento emocionante. 

Também presente ao evento, o prefeito de São Luís, Eduardo Braide, ressaltou o trabalho realizado pela Alumar e sua importância para a economia doestado e da capital maranhense. “A Alumar é um grande instrumento de desenvolvimento do estado do Maranhão”, assinalou. 

Faine Kelly, que trabalhou na fábrica de Redução de 2006 a 2015, é um dos colaboradores recontratados. (Paulo Soares / Grupo Mirante)

Complexo com 710 cubas

Para reativar a fábrica de Redução, A empresa americana Alcoa e sua parceira no Consórcio, a australiana South 32, investiram R$ 957 milhões. A planta abrange três linhas de produção, um complexo operacional de 710 cubas, caracterizada por apresentar uma estrutura de ponta e de produção dentro dos padrões nacionais e internacionais de qualidade e segurança.

Com a capacidade total produzir 447 mil toneladas métricas de alumínio por ano, a retomada da Redução da Alumar viabilizou a geração de 1.500 novos postos de trabalhos indiretos, além da contratação de 1.140 colaboradores diretos.

“O retorno da produção de Alumínio, na Alumar, acontece em um momento em que gerar emprego, renda e crescimento econômico no Maranhão é muito necessário.” destacou o diretor da Alumar, Helder Teixeira. “Temos uma visão histórica e compromisso com os maranhenses. Tudo isso, trará resultado expressivo para o desenvolvimento das pessoas e maior contribuição em relação ao recolhimento de impostos, desenvolvimento sustentável, respeito ao meio ambiente dentro de um local seguro. A Alumar é uma fábrica premiada como a melhor indústria para se trabalhar por quatro anos consecutivos, reconhecida e agraciada com prêmios de meio ambiente no Brasil e do mundo”. 

Linha do tempo 

Em 1980, a construção da Alumar foi iniciada pela Alcoa S/A, em 31 de julho de 1980, um projeto que previa um sistema integrado composto por uma fábrica de alumina, de alumínio e um porto. 

- Em 1984, a fábrica da Redução entrou em operação com a Linha I. A meta inicial era de 110 mil t/ano. Dois anos depois, foi implantada Linha II, ampliando para 250 mil t/ano de alumínio. 

Em 1990, com a partida da fase III da fábrica da Redução aumentou a produção em 328 mil t/ano. Com os 710 fornos, das três linhas, que retornam, agora, à operação, a fábrica de Redução volta a ter capacidade instalada para produzir as 447 mil toneladas/ano de alumínio. 

Fábrica da Redução em números:

Participação Acionária:                         

Alcoa: 60%

South 32: 40%

Capacidade Instalada de Produção: 447 mil toneladas métricas de alumínio/ ano.

Investimento Total para a Retomada da Redução: R$ 957 milhões

Perfil de Colaboradores:

Maranhenses: 93%

Outros Estados: 7%           

 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.