COLUNA

Kécio Rabelo
Kécio Rabelo é advogado e presidente da Fundação da Memória Republicana Brasileira.
Kécio Rabelo

De dezembro e outras coisas

O Natal é festa da presença, do encontro e da amizade, mas também da reflexão e da mudança de rumo, da conversão de valores e de percursos, do comprometimento concreto com a obra criada e sua transformação.

Kécio Rabelo

- Atualizada em 09/12/2023 às 13h11

Fila de supermercado, avó e neta à frente, carrinho cheio. Visivelmente preparadas para a ceia do Natal. A criança de mais ou menos nove anos dispara:

– Vó! O Jesus que nasceu no Natal gostava de comer peru? 

A avó sorridente responde: 

– Não, querida, ele era uma criança que nasceu muito pobre. Comer peru no Natal é um costume, uma tradição, como comer chocolate na Páscoa. 

– Hum...! Mas vó, todo mundo come peru no Natal? – retrucou. 

– Não, filha, nem todos, cada um come o que tem no dia, alguns podem comprar peru, outros não e outros nem tem o que comer – respondeu a avó. 

– Anhan... (um instante de silêncio...) mas vó, e Jesus não fica triste quando alguém não tem o que comer? 

– Vamos, já estamos atrasadas para o seu inglês – a avó encerrou. 

Não por acaso, outra vez a inocência genuína da criança desperta em nós questionamentos tão perspicazes, capazes de nos incomodar a consciência. Duas gerações a dialogar sobre questões tão antigas, sobre o viver e o celebrar, o ter e o partilhar, o ser e o acreditar. De um lado a lucidez, a experiência, a prudência das respostas, de outro lado, a inocência de quem sabe que pode perguntar, mesmo que a resposta não venha. 

O acontecimento histórico do nascimento de Jesus traz à tona grandes questões humanas, dramas antiquíssimos da humanidade, como a fome, a pobreza, a “falta de um lugar” (cf. Lc 2, 7b). Traz ainda a realidade da chegada daquela criança que viria e destoar do sistema vigente, constituindo-se como uma grande ameaça. A saga de José e Maria a procura de uma “hospedaria” desenrola-se numa verdadeira epopeia por entre os limites da tibieza do coração humano, o peso das estruturas sociais e o legalismo que escraviza e exclui. 

A dor, a agonia da hora do parto, sintetizam a fragilidade humana visitada pelo toque divino na pureza daquela criança que veio “morar entre nós” (cf. Jo 1, 14). Aos pastores aparecem anjos a cantar uma opereta de paz e anunciar que “nasceu para nós um Salvador” (cf. Lc 2, 11). A criação inteira é imersa nesse instante sublime onde o céu e a terra dão-se o ósculo da paz.

O Natal é festa da presença, do encontro e da amizade, mas também da reflexão e da mudança de rumo, da conversão de valores e de percursos, do comprometimento concreto com a obra criada e sua transformação. É tempo oportuno de olhar ao redor, de aproximar-se, de dar o passo seguinte, inserir-se, encarnar-se. Um convite indistinto a todos a assumir mutuamente as dores, as angústias e as alegrias do outro. É nesse movimento de amor e entrega que o Filho de Deus nos visita e habita em nós. 

A encarnação nos inspira uma metodologia de libertação. Os pobres não são e não deverão ser, jamais, sujeitos passivos desse processo. O chão da nossa história continua manchado do sangue da guerra, do suor escravo e da lógica perversa da exclusão. São muitos, centenas de milhares, de meninos e meninas no Oriente e no Ocidente sem lugar, sem colo e sem motivos para no Natal, ou fora dele, acender uma luz. Não há magia, nem encantamento. Para eles, o decreto de Herodes continua vigente, não deixando escapar sequer seus sonhos. 

O menino de Belém, ao visitar-nos, se deixa também visitar, se deixa ver e tocar em sua forma mais vulnerável e indefesa, exatamente por aqueles que, guiados pelo sinal “dos anjos” e da “estrela”, vão ao encontro dessa novidade. Uma pessoa que “desce” e assume a caminhada humana, caminha por nossos passos e tece conosco o fio da história. Reacende nossos sonhos, ressignifica nossas dores e nos inspira atitudes novas. 

Em cada casa, beco ou esquina, onde se acenda uma luz para recordar o Natal, onde a ceia ou “janta” for peru, peixe ou batata, ou onde faltar farinha e pirão, onde faltar gente para sentar à mesa, onde faltar a mesa para colocar o pão, onde o pão for escasso, mas sobrar união, haverá celebração. Também, aí, sobretudo ali, outra vez é dezembro, de novo é Natal.

As opiniões, crenças e posicionamentos expostos em artigos e/ou textos de opinião não representam a posição do Imirante.com. A responsabilidade pelas publicações destes restringe-se aos respectivos autores.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram, TikTok e canal no Whatsapp. Curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.