Em Tuntum

MPT-MA processa empresa terceirizada da Cemar

Ao realizar inspeção em Tuntum, o órgão constatou irregularidades no meio ambiente de trabalho
Imirante.com, com informações do MPT-MA28/05/2019 às 13h44
MPT-MA processa empresa terceirizada da Cemar O órgão ministerial pede pagamento de R$ 300 mil por dano moral coletivo. (Foto: Divulgação)

TUNTUM - O Ministério Público do Trabalho no Maranhão (MPT-MA) ajuizou uma ação civil pública contra a empresa Gerais Engenharia, prestadora de serviços da Cemar. O órgão ministerial pede pagamento de R$ 300 mil por dano moral coletivo e o cumprimento de diversas obrigações para garantir a saúde, higiene e segurança dos trabalhadores.

Leia também:

Construtora é condenada a indenizar homem por morte de esposa

Ex-prefeito é condenado a ressarcir danos ao município

Em inspeção realizada no município de Tuntum, o procurador do Trabalho Marcos Duanne de Almeida observou uma série de irregularidades, como o não fornecimento de equipamentos de proteção individual (EPIs) e de vestimentas de trabalho, transporte irregular dos operários, falta de instalações sanitárias nas frentes de serviço, atrasos salariais, empregados sem carteira assinada, falta de descanso semanal remunerado e não realização de exames médicos ocupacionais.

No alojamento, as instalações elétricas e sanitárias eram inadequadas, não havia ventilação nos quartos e nem local adequado para refeições. Muitos empregados dormiam na área externa, por conta do calor e do mofo presente nas paredes. Não havia água encanada no imóvel, apenas uma mangueira vinda da casa vizinha. Os banhos eram com caneca e não tinha descarga no vaso sanitário.

“As condições de trabalho a que os trabalhadores estavam expostos configuravam risco à saúde, segurança e higiene laboral, afetando, portanto, o meio o ambiente de trabalho”, explica o procurador Marcos Duanne. Um trabalhador chegou a sofrer um acidente, em razão do rompimento do talabarte, dispositivo utilizado para evitar quedas.

O MPT-MA pediu antecipação de tutela de urgência para que a empresa adote as providências necessárias para agir conforme as exigências legais. “As transgressões trabalhistas são graves e põem em risco a saúde e segurança não apenas dos atuais obreiros de outras frentes de trabalho, mas também dos que futuramente serão contratados para a atividade econômica da empresa”, acrescenta o procurador.

Na ação civil, o MPT requereu o cumprimento de 20 obrigações, dentre as quais destacam-se: cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do trabalho, elaborar programa de controle médico de saúde ocupacional, fornecer vestimentas e EPIs adequados, dotar o alojamento de vestiários e de instalações sanitárias adequadas, fornecer água potável e proibir o uso de recipientes coletivos.

O caso tramita na Vara do Trabalho do município de Presidente Dutra.

Em nota, a Cemar que até o momento recebeu notificação do Ministério Público do Trabalho do Maranhão (MPT-MA).

Veja a nota na íntegra:

A Cemar esclarece que ainda não recebeu qualquer notificação judicial acerca do processo em tela, de modo que, uma vez notificada, adotará as medidas cabíveis no momento oportuno.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.