Novo coronavírus

Covid-19: Maranhão registra aumento de 247% nas vendas de ivermectina

Ainda não há estudos que comprovem a eficácia do medicamento na ação contra o novo coronavírus (Covid-19).
Imirante.com05/02/2021 às 18h30
Covid-19: Maranhão registra aumento de 247% nas vendas de ivermectinaEm 2019 foram vendidas 306.599 unidades, enquanto que em 2020 o número saltou para 1.064.165 unidades do medicamento. ( Foto: Reprodução)

MARANHÃO - O Maranhão registrou um aumento de 247% nas vendas de ivermectina, vermífugo usado no suposto tratamento precoce do novo coronavírus (Covid-19), segundo levantamento feito pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF). Não há, ainda, estudos que comprovem a eficácia do medicamento na ação contra a doença.

Leia também:

Anvisa suspende retenção de receita para Ivermectina e Nitazoxanida

Maranhão registra 4.742 mortes e mais de 209 mil casos confirmados do novo coronavírus

Brasil negocia compra de 10 milhões de vacinas Sputnik V

Covaxin, vacina contra Covid-19 da Índia, será testada no Brasil

Maranhão deve receber novas doses de vacina do MS ainda esta semana

Em 2019 foram vendidas 306.599 unidades, enquanto que em 2020 o número saltou para 1.064.165 unidades do medicamento. A ivermectina é usada para promover a eliminação de vários parasitas do corpo e faz parte do chamado "Kit Covid", que vem sendo vendido no Brasil no suposto combate ao novo coronavírus (Covid-19).

O conselheiro Federal de Farmácia pelo Maranhão, Marcelo Rosa, disse ao G1 que o aumento expressivo do uso do medicamento pode ser explicado pela divulgação de informações equivocadas sobre a eficácia em relação ao tratamento contra a doença. Como por exemplo, a recomendação por parte da classe médica do uso do medicamento para o tratamento precoce contra a doença.

" O que a gente analisa é justamente a disseminação de muitas informações, às vezes equivocadas, e a disseminação de estudos científicos que não eram bem relacionados à questão da Covid. Houve no Brasil também uma divulgação a respeito do tratamento precoce que também teve amparo nos meios médicos, dos profissionais da saúde, tinham médicos defendendo esse médico precoce", explicou o conselheiro.

Para Marcelo Rosa, existe uma preocupação, por parte da classe farmacêutica, pelo aumento no uso de medicamento, já que isso pode ser um indicativo que à população possa estar se automedicando ou utilizando a ivermectina para o tratamento precoce. Ele alerta que o uso sem prescrição médica, pode causar problemas de saúde graves.

"O Conselho Federal de Farmácia está preocupado com o uso indiscriminado desses medicamentos, porque tem gente está usando constantemente ivermectina, mesmo não tendo os sintomas e achando que se utilizar pode prevenir a doença. Isso não é verdade. Não existe prevenção da Covid-19 com a utilização da ivermectina. O medicamento sem uso adequado pode levar pessoas a terem intoxicações e efeitos colaterais graves", disse Marcelo Rosa.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.