"Essa dor também é minha!"

Ato em homenagem às vítimas de feminicídio é realizado na capital maranhense

Abertura da IV Semana Estadual de Combate ao Feminicídio é marcado por memória e incentivo a luta e resistência feminina.
Paulo Pontes / Imirante.com13/11/2020 às 18h37

SÃO LUÍS - Talita, Wanessa, Joana, Danielle, Maria, Ana Cristina, Mariana. Estes são apenas alguns nomes de vítimas de feminicídio no Maranhão, que foram homenageados nesta sexta-feira (13), na abertura da IV Semana Estadual de Combate ao Feminicídio. Com o tema "Essa dor também é minha!", o evento está realizando uma série de ações. Entre elas, palestras, um passeio ciclístico e uma solenidade de encerramento.

Primeiro ato da IV Semana Estadual de Combate ao Feminicídio é marcado por homenagens. (Foto: Paulo Pontes / Imirante.com)

Foto: Paulo Pontes / Imirante.com

A delegada da Delegacia da Mulher, Wanda Moura, explicou que esta é uma ação da Polícia Civil com demais órgãos parceiros.

"O evento visa sensibilizar a sociedade em geral sobre a necessidade da gente discutir e visibilizar todas as formas de violência contra a mulher. Se esse tema não for tratado com a seriedade necessária perderemos outras vitimas, teremos mais vitimas de feminicídio. Então a forma que a gente pode evitar que mais casos ocorram é a partir de ações preventivas, educativas, diálogos com a sociedade, que as pessoas consigam entender que o machismo mata e que essa desigualdade de poder nas relações entre homens e mulheres geram feminicídio", disse a delegada.

Familiares de algumas vítimas do feminicídio no Maranhão se reuniram no primeiro ato da IV Semana Estadual de Combate ao Feminicídio. (Foto: Paulo Pontes / Imirante.com)

A primeira ação da IV Semana Estadual de Combate ao Feminicídio contou com a presença de familiares de algumas vítimas de feminicídio no Maranhão. Com as camisas estampas, as lembranças pairavam sobre o ambiente, mas o sentimento era de luta contra o crime que vem tirando a vida de muitas mães, irmãs, tias, primas e sobrinhas.

"Esse movimento é muito importante, pois nós estamos nessa luta e tem que acabar com isso, esses homens monstros matando nossas filhas. Eu perdi a minha filha, a Andreia Miranda Teixeira, tragicamente para um monstro. Tem que dar um basta na violência contra a mulher", expressou a funcionária pública Ana Paula Miranda, mãe de uma das vítimas.

Familiares de Mariana Costa que foi assassinada há quatro anos, no dia 13 de novembro de 2016, se reuniram em ato contra o feminicídio. (Foto: Paulo Pontes / Imirante.com)

A arquiteta Juliana Costa Rios, irmã de Mariana Costa que foi assassinada há quatro anos, no dia 13 de novembro de 2016, relembra a perda e ressalta a importância do evento, que une pessoas que ainda buscam por justiça, assim como ela.

"Essa data é importante e precisa ser voz de todos, pois eu sei o que é sentir a dor da perda de um crime tão grave como esse. A gente pode ver que as estatísticas vêm aumentando, precisamos unir as nossas vozes, precisamos fazer uma voz, de todos, não só das mulheres, dos homens também, pois isso precisa acabar. A gente precisa acabar com essa cultura do machismo, com esse tipo de violência contra as mulheres", destacou a arquiteta.

No 21 de novembro, será realizado o I Passeio Ciclístico de Combate ao Feminicídio, que fará um percurso pela avenida Litorânea, em São Luís. Já no dia 24, o encerramento da IV Semana Estadual de Combate ao Feminicídio será feito durante uma cerimônia na Casa da Mulher Brasileira, com a presença de autoridades.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.