Em São Luís

Ex-marido contratou pedreiro para matar mãe e filha em residência, diz polícia

Graça Maria Pereira de Oliveira e a filha dela, Talita de Oliveira Frizeiro, foram encontradas mortas dentro de um carro da família no último dia 7 de junho.
Imirante.com22/06/2020 às 15h47
Ex-marido contratou pedreiro para matar mãe e filha em residência, diz polícia Mãe e filha foram mortas no último dia 7 de junho, em residência no Altos do Calhau, em São Luís. (Foto: Reprodução / TV Mirante)

SÃO LUÍS - Nesta segunda-feira (21), durante uma coletiva de imprensa, a Polícia Civil divulgou que um pedreiro e o ex-marido de Graça Maria Pereira de Oliveira, de 57 anos, foram presos suspeitos de matarem a empresária e sua filha Talita de Oliveira Friseiro, de 27 anos, encontradas mortas no dia 7 de junho.

Leia também:

Mãe e filha são achadas mortas dentro de casa enroladas em um lençol

Perícia aponta que mãe e filha assassinadas sofreram tortura e houve luta corporal com agressor

Material genético deve levar a polícia a identificar suspeito de duplo feminicídio

De acordo com a Polícia Civil, o pedreiro, que trabalhava em uma obra perto da casa das vítimas, foi contratado para cometer o crime. Segundo as investigações, o ex-marido de Graça Maria, que até então era o principal suspeito de ser o assassino, foi quem planejou o duplo homicídio.

Ainda segundo a polícia, as investigações duraram menos de três semanas, e um celular roubado no dia do crime foi fundamental para que a polícia chegasse ao suspeito de ter executado as vítimas.

“O autor do crime foi o pedreiro que estava trabalhando na obra que dividia o muro entre a casa das vítimas e a casa vizinha. Ele já tinha acesso à casa das vítimas, pois já estava trabalhando ali desde abril, então a vítima (Graça) já franqueava a entrada dos pedreiros, oferecia água. Inclusive, o executor já tinha ganho dela objetos como liquidificador, micro-ondas, então já era uma pessoa conhecida ali. E era comum ela abrir o portão de casa para que os pedreiros passassem com entulhos”, explicou a delegada Viviane Fontenele, titular da Delegacia Especial da Mulher (DEM).

A delegada ainda contou que o pedreiro se utilizou da oportunidade que a vítima dava a ele de ter acesso às dependências da casa. “Era comum eles chegarem na obra e ir pulando o muro. Então ele pulou o muro e chamou: ‘dona Graça, abra o portão pra mim, por favor!’. Quando ela entrou para pegar a chave, ele já foi por trás e amarrou as mãos, pernas e amordaçou ela, foi quando a filha dela, a Talita, apareceu e ele fez a mesma coisa com ela. No local ele estrangulou a Graça, já a Talita ele matou asfixiada dentro carro”, relatou a delegada.

De acordo com a delegada Viviane Fontenele, o ex-marido de Graça foi para Imperatriz, para não deixar provas de que ele foi o autor, mas a polícia acabou descobrindo que ele havia sido o mentor de tudo e conseguiu prendê-lo no último sábado (19).

Ainda segundo a delegada Viviane Fontenele, a motivação do crime seria uma disputa judicial pela divisão de bens do casal. Graça era sócia de uma empresa de locação de contêiner e, segundo a família, já tinha, na Justiça, o direito de metade dos bens. Já Talita era enteada do suspeito de planejar o crime, e seria a herdeira legítima da mãe.

O pedreiro confessou os crimes em depoimento e disse à polícia que recebeu R$ 5 mil pelo serviço. De acordo com as investigações, o mandante teria orientado o pedreiro até sobre a forma de como as vítimas deveriam ser assassinadas.

“O mandante disse que o pedreiro teria duas opções, ou colocaria os corpos no carro e atearia fogo com os corpos dentro para tentar evitar que polícia identificasse vestígios de que teve assassinato ou ele deixaria os corpos na cozinha, acenderia uma vela e ligaria o gás, para que acontecesse um incêndio e destruísse qualquer vestígio”, contou Viviane Fontenele.

A delegada explicou que o homem só não ateou fogo nos corpos dentro do carro, por medo de chamar a atenção e ser pego no local do crime.

Ainda nesta segunda (22), a polícia prendeu um terceiro suspeito de estar envolvido no crime. O homem teria intermediado o contrato com o pedreiro para execução dos homicídios. Segundo a polícia, o homem é o chefe da obra vizinha à casa das vítimas.

Veja a reportagem da TV Mirante

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.