Em São Luís

Comandadas por presidiários, mulheres são presas suspeitas de tráfico de drogas

Silane Dias Nascimento Bezerra transportou 34 tabletes de entorpecentes de Açailândia para São Luís, onde encontrou com as companheiras Nagyla Mayra Sousa Araujo e Gecimar Thayna Amaral dos Santos.
Imirante.com, com informações da Mirante AM08/08/2019 às 18h03
Gecimar Thayna Amaral dos Santos, Nagyla Mayra Sousa Araujo e Silane Dias Nascimento Bezerra foram presas suspeitas de traficarem de drogas. (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS - Nesta quinta-feira (8), foram presas Gecimar Thayna Amaral dos Santos, de 19 anos, Nagyla Mayra Sousa Araujo, de 26 anos, e Silane Dias Nascimento Bezerra, de 23 anos. De acordo com a Polícia Civil, foram apreendidos com as suspeitas 34 tabletes de entorpecentes, avaliados em torno de R$ 34 mil.

De acordo com a Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), a polícia já estava investigando aproximadamente há uma semana que chegaria um carregamento de entorpecentes em São Luís proveniente do município de Açailândia (MA).

De acordo com o delegado Gil Gonçaves, Silane Dias se dirigiu à cidade de Açailândia nessa quarta-feita (7) e entrou em contato com uma pessoa, ainda desconhecida, onde teria obtido os 34 tabletes de entorpecentes. Na manhã desta quinta, antes de viajar para São Luís, a suspeita colocou a droga em uma mala junto com roupa, café e amaciante para tentar amenizar o odor exalado.

Tabletes de entorpecentes apreendidas com Gecimar Thayna Amaral dos Santos, Nagyla Mayra Sousa Araujo e Silane Dias Nascimento Bezerra.

Ainda de acordo com o delegado Gonçaves, Silane chegou em São Luís pelo Terminal Rodoviário da cidade, onde encontrou com Gecimar Thayna e seguiram para o bairro do Cohafuma, onde mora Najyla Mayra.

As suspeitas são companheiras dos presidiários Daniel Kleyton Martins de Oliveira, Mateus da Silva Gomes e Raimundo Nonato Portela Frazão, que estavam presos na mesma cela, fazem parte da mesma facção criminosa e já respondem por trafico de drogas. Eles administravam os passos das mulheres de dentro do presídio. Os entorpecentes enviados para São Luís serviriam para abastecimento de diversos pontos de vendas de drogas.

Também foram feitas buscas no bairro do Cohatrac, onde foi encontrada uma balança, que geralmente é utilizada no tráfico de drogas, no carro da Thayna.

Ouça no áudio a entrevista da repórter Alessandra Rodrigues com o delegado Gil Gonçalves:

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.