Homicídio brutal

Apontados como autores da morte de adolescente são apresentados na SSP

Lorena Furtado foi morta a golpes da barra de ferro, por pertencer a uma facção rival.
Imirante.com19/03/2018 às 18h00

SÃO LUÍS – Na tarde desta segunda-feira (19), a Polícia Civil do Maranhão apresentou, na sede da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP-MA), os acusados de participarem do brutal assassinato da jovem Lorena Luiza da Silva Furtado, 16 anos, a qual foi morta em maio de 2017.

Relembre o caso: Polícia aguarda laudo para esclarecer morte de jovem

Os envolvidos no caso foram identificados como: Paulo de Sousa Cardoso; Adjardson de Mesquita Magalhães; Ronald dos Anjos Freitas; Whalison Diego Silva dos Santos; Márcio Serejo; e Hirlan Vale de Mesquita, o qual é apontado como chefe de uma facção criminosa e quem teria dado a ordem de mandar assassinar a adolescente.

Acusados de praticar o crime. / Foto: Divulgação.

Segundo a polícia, os acusados declararam que no dia 6 de maio de 2017 Lorena foi a uma casa de festa em São José de Ribamar onde os encontrou e ficou na companhia dos mesmos. Depois da meia noite, eles a convidaram para ir a uma quitinete na Vila Luís Fernando, a qual pertencia a um dos suspeitos, conhecido como “Éric Boladão”, o qual já foi a óbito. Lá passaram o restante da madrugada consumindo drogas, até que em determinado momento Lorena teria declarado ser integrante de uma facção rival.

Diante disso, “Éric Boladão” se deslocou até a casa de Hirlan Vale, traficante local, e comunicou que tinha uma integrante do Comando Vermelho com eles. Foi quando Hirlan decretou a morte de Lorena.

Segundo os detidos, nove pessoas participaram do caso, sendo sete adultos e dois adolescentes. Os acusados relataram à polícia, que mataram a adolescente com golpes de barra de ferro.

As ossadas da adolescente foram encontradas no dia 9 de março deste ano, em um matagal no bairro Luís Fernando, em Paço do Lumiar. A polícia chegou aos restos mortais de Lorena, após a prisão de dois suspeitos, sendo que um deles confessou o crime e levou os policiais até o local onde o corpo foi enterrado.

A polícia ainda está investigando o caso, no sentido de identificar o local da execução para recolher material orgânico e confirmar ou não a versão dos detidos.

Ouça a entrevista que o delegado Carlos Alberto Damasceno deu à rádio Mirante AM falando sobre o caso.

Segundo Instituto de Criminalística e Medicina Legal (Icrim), foi necessário fazer a sobreposição de imagem para saber se o sorriso da Lorena coincidia com os achados da ossada. A perícia afirmou que deu uma compatibilidade muito grande, levando a confirmação da identidade da vítima.

Ouça a entrevista que o perito do Icrim deu na rádio Mirante AM falando sobre a perícia.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2018 - Todos os direitos reservados.